Acessar o conteúdo principal
Futebol/PSG

Lucas lamenta não ter feito gol “histórico” pelo PSG

O último toque de bola foi desviado, in extremis pelo lateral direito Fanni que acompanhou a trajetória da bola e cortou em cima da linha.
O último toque de bola foi desviado, in extremis pelo lateral direito Fanni que acompanhou a trajetória da bola e cortou em cima da linha. REUTERS/Philippe Wojazer

Além dos dois gols na vitória sobre o arquirrival Olympique de Marselha, os torcedores do PSG que lotaram as arquibancadas do Parque dos Príncipes, em Paris, neste domingo (02) vão se lembrar do clássico pela jogada espetacular do atacante Lucas que por pouco não resultou num gol histórico”.

Publicidade

Aos 14 minutos de jogo, Lucas pegou a bola ainda no campo de defesa, deu uma arrancada de 76 metros a uma velocidade de 33km/h, passou por vários adversários e, de frente para goleiro, tocou por cima, encobrindo Mandanda. A bola só não entrou porque o toque saiu fraco e o zagueiro Fanni teve tempo de desviar para escanteio, evitando o que seria um gol antológico na história do clássico, do estádio e também da carreira do jovem atacante de 21anos.

“Foi uma jogada típica minha, em que uso toda a minha velocidade, mas no último toque, adiantei demais, tentei tirar do goleiro, dei uma cavadinha, saiu meio fraco, eu já estava sem pernas....”, explicou um decepcionado Lucas após a partida.

 “Já perdi muitos gols e lamentei, mas nada comparado a hoje. Pela jogada, por tudo o que envolve um clássico, com grandes jogadores. Na hora a gente lamenta por querer ter feito um gol, ainda mais como esse, mas não posso ficar me lamentando, faz parte do jogo”, disse.

Mesmo não tendo resultado em gol, a jogada vai ficar gravada na memória de Lucas, que ainda briga para se manter entre os titulares do campeão francês.

“Para mim vai ficar marcado. Um lance como esse, vai ficar marcado, como um gol que eu não fiz”, completou sorrindo.

“Carinho impressionante”

Depois do lance, muitos torcedores aplaudiram de pé a jogada e gritaram o nome do jogador. Sempre tratado com muito carinho desde que chegou ao PSG, em janeiro de 2013, o ex-são- paulino também foi ovacionado ao deixar o gramado no final da partida, quando foi substituído por Pastore.

“A torcida sempre teve carinho comigo, mas hoje foi impressionante. Foi emocionante ver todo mundo de pé, batendo palmas, gritando meu nome. Foi muito emocionante”, repetiu.

Depois de passar um longo período no banco de reservas, o atacante voltou a ganhar a confiança do treinador Laurent Blanc que o tem escalado como titular em jogos do campeonato francês e também da Liga dos Campeões da Europa.

“Quando você tem uma seqüência de jogos como titular, é normal a confiança vir, por parte dos torcedores, dos companheiros de equipe e por mim mesmo, é natural isso”, comentou.
“Estou me sentindo muito mais à vontade e solto para fazer minhas jogadas. Se isso garante a vaga de titular ainda não sei, mas espero que sim”, afirmou.

Além da busca de uma vaga na equipe titular do Paris Saint-Germain, Lucas também quer aproveitar essa “nova arrancada” na carreira para voltar a seduzir o treinador Luiz Felipe Scolari que o descartou dos últimos jogos da seleção brasileira.

“Vou continuar trabalhando nesta crescente que as coisas acontecem”, disse o atacante que não esconde sua motivação de realizar o sonho de disputar a Copa no Mundo no Brasil.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.