Acessar o conteúdo principal
Cazaquistão

Mundial de judô termina com consagração francesa e mau desempenho brasileiro

Judoca francês Teddy Riner segue imbatível.
Judoca francês Teddy Riner segue imbatível. AFP PHOTO / THOMAS SAMSON

Aos 26 anos, o francês Teddy Riner fez história mais uma vez neste sábado (29) ao conquistar seu oitavo título mundial, o sétimo consecutivo na categoria pesos pesados (acima de 100 kg). Já os brasileiros, com apenas duas medalhas de bronze no Mundial de Judô de Astana, no Cazaquistão, tiveram seu pior desempenho em 6 anos.

Publicidade

Invicto há 95 lutas, o francês, atual campeão olímpico, venceu todos seus adversários por ippon, mostrando que continua sem rivais à altura. Na final, ele derrotou com facilidade o japonês Ryu Shichinohe, algoz do brasileiro David Moura na segunda rodada, que ficou com a prata, como no ano passado. As medalhas de bronze ficaram com o georgiano Adam Okruashvili e o ucraniano Iakiv Khammo.

Além dos sete ouros seguidos nos pesos pesados (2007, 2009, 2010, 2011, 2013, 2014, 2015), o primeiro deles no Rio de Janeiro, Riner também conquistou em 2008 o título na hoje extinta categoria 'open', que reúne atletas de todos os pesos do Mundial em 2008.

No ano passado, em Chelyabinsk, ele tinha igualado o recorde de medalhas de ouro em Mundiais que pertencia à japonesa Ryoko Tani (até 48 kg) e à chinesa Wen Tong (acima de 78 kg e open). O oitavo título veio numa temporada complicada do francês, que praticamente não competiu em 2015 por ter sofrido cirurgia no cotovelo em fevereiro, antes de sofrer uma lesão no pé no mês seguinte.

Na categoria abaixo (até 100 kg), quem subiu no lugar mais alto do pódio foi o japonês Ryonosuke Haga, que conquistou o sexto ouro para seu país, líder disparado do quadro geral de medalhas.

Sinal amarelo para Rio 2016

Campeão mundial da categoria no Rio, em 2007, Luciano Corrêa estreou com vitória sobre o húngaro Miklos Cirjenics, mas perdeu a segunda luta para o britânico Benjamin Fletcher. No feminino, o título dos pesos pesados foi para a chinesa Yu Song, que venceu na decisão a japonesa Megumi Tachimoto.

As brasileiras Rochele Nunes e Maria Suelen Altheman perderam logo de cara para a chinesa Sisi Ma e a sul-coreana Mijeong Kim. Maria Suelen, que tinha levado a prata ao perder para Ortiz nas últimas duas edições, precisou abandonar a luta por sofrer uma lesão no joelho.

O país encerrou sua participação com apenas duas medalhas de bronze, com Érika Miranda (até 52 kg) e Victor Penalber (até 81 kg), muito abaixo da meta de cinco pódios estabelecida pela Confederação Brasileira de Judô. A um ano dos Jogos do Rio-2016, o judô brasileiro, que é considerado um dos carros-chefe do projeto olímpico, teve seu pior desempenho em 6 anos, desde o Mundial de 2009.

 (Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.