Acessar o conteúdo principal
Esporte/ tênis

Djokovic é campeão de Roland Garros e imita Guga

Novak Djokovic repetiu "declaração de amor" a Roland Garros feita por Gustavo Kuerten, que aplaudiu a iniciativa.
Novak Djokovic repetiu "declaração de amor" a Roland Garros feita por Gustavo Kuerten, que aplaudiu a iniciativa. Pierre René-Worms/ RFI

O sérvio Novak Djokovic entrou mais uma vez para história do tênis ao vencer o britânico Andy Murray por 3 sets a 1 (parciais de 3/6, 6/1,6/2 e 6/4), na final do Aberto da França, disputado neste domingo (5), em Paris. Além de erguer seu primeiro título de campeão de Roland Garros, o número 1 do mundo conquistou o último Grand Slam que faltava em sua carreira. Emocionado com o feito, desenhou um coração no saibro e deitou dentro, como Gustavo Kuerten, em 2001.

Publicidade

“É um momento muito especial, talvez o melhor da minha carreira”, reagiu Djkovic, em francês, na quadra principal, logo após sua vitória histórica. Ele também explicou ter repetido o gesto de Guga, com quem havia conversado sobre a possibilidade de repeti-lo em caso de vitória para agradecer o carinho do público e do torneio. No momento em que se referia ao brasileiro tricampeão, a imagem de um Guga sorridente apareceu nos telões.

Djokovic nunca escondeu que uma de suas metas do ano era levantar o troféu que lhe escapou das mãos em três ocasiões. Depois de duas finais perdidas para Rafael Nadal (2012 e 2014) e no ano passado para o suíço Stanislas Wawrinka, a consagração do número 1 do mundo chegou na sua quarta tentativa, em uma final inédita.

Novak Djokovic enfim conquistou Roland Garros.
Novak Djokovic enfim conquistou Roland Garros. RFI/Pierre René-Worms

O obstáculo era seu velho conhecido do circuito, com quem Djokovic tinha um retrospecto bem favorável: 23 vitórias sobre o britânico, entre elas a semifinal do ano passado no saibro parisiense, e apenas 10 derrotas.

Na temporada de saibro de 2016, os dois tenistas se enfrentaram nas finais de dois torneios, com Murray mostrando sua evolução no piso de terra batida. Em Madri, a vitória foi do sérvio, e Murray, ergueu o de Roma, tornando a final de Roland Garros um desafio aberto entre eles.

O percurso de Nole, como é mais conhecido o número 1 mundial, foi menos cansativo nas duas semanas. O sérvio chegou à final com 12h54 de jogo nas quadras, contra 17h50 para o britânico.

O jogo

Novak começou arrasador, com quebra de serviço de Andy Murray sem deixar o britânico marcar ponto. O adversário quebrou no game seguinte, com direito a encobrir o sérvio. Na sequência, nova quebra de saque de Novak, e disparou para fazer 4/1. E depois fechar o set em 6/3.

O set foi marcado ainda por uma discussão entre Djoko e o árbitro, por uma bola na linha, contestada pelo sérvio. O público reagiu por vários minutos, com vaias e aplausos, mostrando que as arquibancadas estavam bem divididas.

No segundo set, Andy Murray deu nova prova de solidez com belas defesas, mas Novak conseguiu sair na frente e aumentou a vantagem com a quebra de serviço do britânico, e embalou para abrir 3/0 . Ele teve duas chances de ampliar, mas o britânico resistiu. Confirmando seu serviço, o sérvio fez 4/1 e seguiu acuando Murray, que cedeu, e o sérvio não encontrou muito mais resistência para fechar em um tranquilo 6/1.

Em nova demonstração de que passou a dominar o jogo, Djokovic encaixou melhor os golpes e foi disparando no placar. Chegou a abrir 5/1 e fechou em seguida para 6/2, animando a torcida que balançava bandeiras sérvias nas arquibancadas, aos gritos de “Nole”.

Mais perto do título, o sérvio encontrou Murray ainda muito combativo no set seguinte. Djokovic abriu 5/2 e, quando a torcida já estava embalada com gritos de “olê, olê, olê, Nole”, o britânico encontrou forças para reagir e se aproximou no placar – sem, no entanto, impedir o sérvio de fechar o set em 6/ 4 e a partida em 3 sets a 1.

Feitos históricos

Durante o torneio, Novak Djokovic também bateu uma marca no esporte. Ele se tornou o primeiro tenista a conquistar U$ 100 milhões na carreira. “Nunca pensei na questão financeira”, disse. “Isso me permite ter uma certa qualidade de vida, mas não passa disso. O dinheiro não é o motor da minha carreira”, explicou.

Com o troféu de Roland Garros, Djokovic aumenta para 65 o número de títulos na carreira, sendo o 12° de Grand Slam. Ele se torna o oitavo tenista a entrar para o seleto grupo que conquistou todos os quatro títulos Grand Slams do circuito do tênis, entre eles o suíço Roger Federer, o espanhol Rafael Nadal e o australiano Rod Laver.
 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.