Acessar o conteúdo principal
Futebol/Pelé/Maradona

Pelé e Maradona se enfrentaram em Paris em "jogo da amizade"

Maradona e Pelé durante em evento organizado em Paris, às vésperas da Euro 2016.
Maradona e Pelé durante em evento organizado em Paris, às vésperas da Euro 2016.

Considerados os dois melhores jogadores de futebol da história, o brasileiro Pelé e o argentino Maradona se enfrentaram nesta quinta-feira (9), em Paris, em um "jogo da amizade". Os dois atuaram como treinadores de equipes formadas por ex-estrelas do futebol, como parte de um evento na véspera do início da Eurocopa.

Publicidade

Organizada por uma marca de relógios suíça que é uma das patrocinadoras oficiais da Eurocopa, os dois mitos do futebol entraram de mãos dadas no pequeno estádio de futebol com um gramado artificial no Palais Royal, no centro da capital francesa. Pelé, de 75 anos, entrou amparado em uma bengala.

A partida durou meia hora, em dois tempos de 15 minutos, com um de descanso. As duas equipes tinham cinco jogadores em campo e o resultado final foi de 8 a 8. A equipe de Pelé tinha os brasileiros Dida como goleiro, e Bebeto, além do espanhol Fernando Hierro, o inglês Rio Ferdinand e o argentino Hernán Crespo.

Maradona, de 55 anos, dirigiu a equipe composta pelo goleiro italiano Angelo Peruzzi, os também italianos Ciro Ferrara e Marco Materazzi, o holandês Clarence Seedorf e o francês David Trezeguet. No segundo tempo, Maradona entrou em campo com a camisa 10 e jogou por alguns minutos. Já Pelé acompanhou toda a partida sentado do lado de fora do gramado artificial improvisado.

O jogo foi apitado pelo britânico Howard Webb, o juiz da final do Mundial 2010, vencida pela Espanha.

"Quero agradecer exclusivamente a Pelé por estar do lado de nossos jogadores. Nós, com o coração, sabemos quem é quem e quem será. Precisamos de uma figura como ele", declarou Maradona, ao encerrar o ato.

Pelé também estendeu a mão de maneira conciliadora ao seu velho "inimigo". "Quero trazer uma mensagem de paz e de tranquilidade. Obrigado a meu amigo Maradona por essa oportunidade, e um grande aplauso para os jogadores que estiveram aqui. Este é um momento de paz. Que em todo o mundo haja momentos de paz, em todos os estádios", afirmou o "Rei".

Inimigos do passado

A partida permitiu uma imagem de reconciliação de dois nomes que já trocaram farpas no passado. A relação entre os dois maiores jogadores de todos os tempos sempre foi marcada por declarações polêmicas sobre a rivalidade pelo nome que mais teria marcado a história do futebol.

Uma votação feita pela FIFA para a escolha do melhor jogador do mundo foi vencida por Maradona, mas a organização determinou que a honra fosse compartilhada, diante de outra votação feita por especialistas de futebol. "As pessoas votaram em mim e querem que divida o prêmio com Pelé. Não divido", disse o argentino.

Maradona sempre se referiu de maneira pouco cordial ao brasileiro e suas declarações deram volta ao mundo. "Pelé deveria voltar ao museu", disse certa vez o argentino, acrescentando que o ex-santista deveria tomar uma "pílula adequada" para não dizer "besteiras".

Pelé, no entanto, respondeu fazendo referência ao passado "negativo" de Maradona e seus problemas com drogas e álcool. Pelé ainda afirmou que Maradona aceitou o cargo de treinador da Argentina porque precisava de "dinheiro e trabalho".

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.