Acessar o conteúdo principal
Hong Kong/Jogos Olímpicos

Jornalistas de Hong Kong recebem "treino anti-zika" antes de Jogos no Rio

Cerca de 15 jornalistas acompanharam, nesta terça-feira (5), uma apresentação sobre métodos de prevenção ao vírus zika e conselhos com higiene e alimentação durante os Jogos.
Cerca de 15 jornalistas acompanharam, nesta terça-feira (5), uma apresentação sobre métodos de prevenção ao vírus zika e conselhos com higiene e alimentação durante os Jogos. RFI

O Departamento de Saúde de Hong Kong convocou os jornalistas locais, que vão cobrir as Olimpíadas do Rio, para uma conferência sobre riscos para saúde no Brasil, nesta terça-feira (5).

Publicidade

De Hong Kong, Luíza Duarte

Cerca de 15 jornalistas acompanharam  uma apresentação sobre métodos de prevenção ao vírus zika e conselhos com higiene e alimentação durante os Jogos. Modos de transmissão, sintomas e medidas preventivas foram detalhadas.

A equipe médica do governo também chamou a atenção para outras doenças que têm o mosquito como vetor, como a dengue e a malária. O surto de microcefalia, a síndrome de Guillain-Barré e seus riscos neurológicos associados ao zika receberam destaque.

Os protestos de bombeiros e policiais no Estado do Rio por condições de trabalho foram mencionados, mas para o governo de Hong Kong, os viajantes devem procurar um médico no Brasil, caso identifiquem qualquer sintoma.

Abstinência sexual durante e depois dos Jogos é aconselhada

RFI

Durante a conferência, os jornalistas que vão visitar áreas de risco no Brasil foram aconselhados a fazerem abstinência sexual ou terem relações sexuais com proteção. No retorno a Hong Kong, a recomendação é que os viajantes façam de dois a seis meses de abstinência como medida preventiva.

Para os médicos, a ausência de sintomas em grande parte dos infectados pelo zika é fator de preocupação, já que facilita a importação do vírus.

No território chinês superpovoado, o Aedes aegypti não é encontrado, mas um mosquito similar, o Aedes albopictus, também é capaz de transmitir o vírus zika, logo o risco de propagação de infecções importadas é real e é favorecido pelo clima quente e úmido do verão de Hong Kong, que acontece de junho a setembro.

Jornalistas locais recebem informações minuciosas

Lau Chun Ying, produtor da RTHK (Radio Television Hong Kong), vai pela primeira vez a América do Sul. “A probabilidade não é muito grande, eu não acho que vou ter tanto azar. Essa viagem é importante o bastante para mim, para correr esse risco. Nós recebemos conselhos do governo, então acho que devo ir”, afirma.

Ying está levando para casa o material informativo que recebeu da equipe de saúde, mas vê a conferência mais como uma formalidade. “Eu não quero perder nenhuma chance de ter mais informações, mas li sobre os riscos nos sites do governo e também recebi outras notícias por email. Psicologicamente estou preparado. Meus chefes querem que a equipe tome vacina para a febre amarela e vamos consultar um médico antes do embarque sobre outras medidas preventivas”.

Às vésperas da partida, Ying questiona se as instalações olímpicas estão mesmo prontas. Preocupado, decidiu se hospedar longe da Cidade Olímpica. Como a maior parte de seus colegas, ele vai ficar na Zona Sul do Rio e está atento à segurança. “Vou levar a menor quantidade de objetos de valor possível, sair com pouco dinheiro. Como estaremos gravando, teremos que levar equipamentos, mas vamos levar o mínimo necessário”, conta.

A repórter esportiva Lo Hiu Kwan, do jornal Apple Daily, garante que vai seguir os conselhos que recebeu, usar repelente e cobrir braços e pernas. Pergunto se ela está mais preocupada com saúde ou segurança. “Ambos”, responde. Em sua primeira viagem ao Brasil, Kwan vai passar cerca de 20 dias no Rio de Janeiro e diz que foi importante se aprofundar sobre como evitar doenças no Brasil.

OMS recomendou vacina contra influenza para quem for ao Rio

Na última semana, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou recomendações aos viajantes que vão acompanhar os Jogos Olímpicos e desaconselhou a partida de mulheres grávidas. A organização sugere que viajantes que pertencem aos grupos de risco tomem a vacina para a influenza A (H1N1) antes do embarque.

A qualidade das águas na cidade sede dos Jogos, principalmente nos locais de prova, foi classificada como abaixo do ideal devido à falta de saneamentos e levanta suspeitas sobre riscos de contaminação para atletas e turistas.

Este ano, a OMS declarou estado de emergência internacional em saúde pública, diante do recente aumento de casos de microcefalia no Brasil e a propagação do vírus zika.

Em maio, 150 cientistas de vários países defenderam em carta aberta à OMS que os Jogos Olímpicos fossem adiados ou transferidos para outro local diante dos casos de zika que atingem o Brasil e a cidade sede.

Governo brasileiro lança campanha para tranquilizar estrangeiros

Depois da publicação da nota de recomendação da OMS para os viajantes na semana passada, o governo brasileiro lançou uma campanha de comunicação internacional. Com a ajuda das representações nacionais no exterior, uma carta assinada pelo Ministro da Saúde brasileiro, Ricardo Barros, está sendo publicada em jornais estrangeiros.

Com o título “Saúde de visitantes nos Jogos Olímpicos é uma prioridade para o Brasil”, o texto foi publicado no principal jornal de língua inglesa de Hong Kong, o South China Morning Post. A publicação tailandesa The Nation indicou que recebeu a carta do ministro da Saúde brasileiro por intermédio da embaixada do Brasil em Bangcoc.

Nela, Barros afirma que os riscos de infecção pelo vírus zika são mínimos e que o “Aedes agegypti está sendo monitorado 24h” não só no Rio de Janeiro, mas nas outras cinco cidades que vão abrigar competições das Olímpiadas e Jogos Paraolímpicos. No texto, que já foi publicado também no jornal americano Miami Herald, o ministro garante que o sistema de saúde do país está preparado para receber delegações de 200 nações e cerca de meio milhão de turistas.

Hong Kong participa esse ano de sua décima sexta Olímpiadas. Seus atletas competem no badminton, ciclismo, natação, tênis de mesa, esgrima, vela e remo.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.