Acessar o conteúdo principal
Tênis/França

Campeã em Roland Garros, Jelena Ostapenko vê semelhanças com Guga

Jelena Ostapenko beija o troféu Suzanne Lenglen conquistado na final de Roland Garros.
Jelena Ostapenko beija o troféu Suzanne Lenglen conquistado na final de Roland Garros. ©Pierre René-Worms

Poucas horas depois de erguer seu primeiro troféu em Roland Garros, após uma surpreendente vitória na final contra a romena Simona Halep, a letã Jelena Ostapenko reviveu seu início de carreira, as emoções durante a partida, e comentou as coincidências com o brasileiro Gustavo Kuerten.

Publicidade

Durante a conferência de imprensa depois da partida vencida de virada, por 2 sets a 1, Ostapenko contou que começou a jogar tênis motivada por sua mãe, que era treinadora. Na mesma época, também fazia dança de salão e teve que escolher um dos dois. “ Eu gostava mais de tênis e acho que era meu esporte”, disse, sorrindo.

Sobre suas expectativas e as emoções que viveu antes e durante a final, a letã comentou que quando estava em desvantagem no segundo set por 3/0, após ter perdido o primeiro set por 6/4, pensou apenas em “se divertir na quadra e lutar até o último ponto”.

Segundo ela, Simona jogou sob pressão, e o nervosismo talvez tenha prejudicado sua adversária. Consciente do feito histórico também para seu país, ela também diz ter ficado feliz pelo entusiasmo despertado na Letônia, onde muitas pessoas acompanharam a final de telões instalados nas ruas da capital, Riga. “Foi impressionante”, destacou.

Coicindências com Guga

Jelena também comentou algumas coincidências com o brasileiro Guga. Além de ter nascido no mesmo dia em que o brasileiro ergueu seu primeiro troféu em Roland Garros, ela ganhou o título não sendo cabeça de série, assim como Guga. "Eu acho que existem semelhanças. Nasci quando ele ganhou o primeiro Roland Garros. Então eu acho que talvez seja algo de sorte, número da sorte ou algo assim.", comentou.

Questionada sobre a mudança do título em sua vida, a jogadora número 44 do ranking da WTA,  respondeu: “Estou feliz, mas tenho que melhorar algumas coisas para ser uma jogadora melhor. Eu quero trabalhar duro para subir no ranking e talvez ganhar mais títulos”.

Embalada pela vitória no saibro parisiense, a letã já se prepara mentalmente para tentar triunfar também no próximo Grand Slam da temporada. “ Espero muito de Wimbledon. A grama é uma dos meus pisos favoritos. Em três semanas estarei preparada”, avisou.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.