Acessar o conteúdo principal
Esportes

“Rally Dakar na Arábia Saudita vai ser frio e muito desafiador”, diz Gustavo Gugelmin

Áudio 06:40
O próximo Rally Dakar será na Arábia Saudita em janeiro de 2020.
O próximo Rally Dakar será na Arábia Saudita em janeiro de 2020. FRANCK FIFE / AFP

Um novo país, um novo cenário e um novo desafio para os competidores do rally mais famoso do mundo. Dentro de pouco mais de um mês, a partir de 9 de janeiro de 2020, os fãs do Rally Dakar vão direcionar os olhos para a Arábia Saudita.

Publicidade

Pela primeira vez o país o Oriente Médio vai sediar e receber os melhores motoristas e pilotos de rally das 350 equipes inscritas para competição. O trajeto de 7.800 km, sendo 5 mil deles cronometrados, foi divulgado no dia 20 de novembro em Paris pelo novo diretor da prova, David Castera.

“É uma mudança muito grande para nós também, em termos de organização. Estamos muito contentes do que encontramos, com esse grande deserto. Foi o DNA que encontramos ali. O deserto é quatro vezes maior que a França, com muitas possibilidades. E também tem muitos países vizinhos que podem se interessar depois. Teremos várias opções para os próximos anos”, avalia.

Além do novo cenário, o Rally Dakar terá como atração o piloto espanhol campeão da Fórmula 1, Fernando Alonso, que estreia na competição. 

A vasta extensão do deserto saudita será um desafio não apenas para os estreantes em rally, mas também para os pilotos, motoristas e navegadores veteranos.

Gustavo Gugelmin, que vai disputar mais um rally na carreira, ao lado de Reinaldo Varela, na categoria SxS, celebrou o fim da ansiedade com a revelação do percurso, apesar das poucas informações disponíveis.

“Não temos muita informação, temos a base, os dias de descanso, e sabemos que será quase o dobro de especiais. Teremos muitos trechos de provas”, comentou na entrevista à RFI.

Gugelmin diz que um dos grandes desafios será enfrentar as temperaturas no deserto. “Já estudamos o terreno e o clima. Vai ser um Dakar frio, teremos temperaturas entre 0 e 15 graus. Teremos que trabalhar tanto a questão das roupas quanto para os carros e a mecânica”, afirmou.
 

Gustavo também indicou que os competidores da categoria com UTV’s pretendem negociar com os organizadores a utilização de capas de chuva, por exemplo, que não são homologadas atualmente. “Estamos vendo como vamos combater o frio que será intenso dentro do carro. É sempre bom ter um percurso diferente. Vai ser desafiador para todos”, acrescentou.

Novos horizontes

Depois de deixar a África por questões relacionadas à segurança e riscos de terrorismo, e ser transferido por 11 anos para a América Latina, onde diversos países passam por tensões sociais, o rally desembarca em uma região tumultuada.

Muitos países do Oriente Médio recorrem ao esporte para valorizar sua imagem junto à opinião pública mundial. A monarquia saudita, ultraconservadora, aposta agora no rally, mas pesa sobre o país críticas pesadas sobre violações de direitos humanos e a implicação do governo de Riade na guerra do Iêmen, que provoca um grande número de vítimas entre os civis.

A escolha da Arábia Saudita pela empresa ASO, organizadora do rally, também foi alvo de questionamentos, mas os competidores não se envolvem em aspectos políticos, segundo Gugelmin. 

“A gente não tem nenhuma influência sobre o país, sobre a organização do Dakar. Existem relações comerciais, patrocínios, apoio do governo, uma série de questões que definem onde o Dakar vai”, explica. “Só focamos na corrida. O que importa é a competição ser mantida e os desafios cada vez mais diferentes, e em diferentes lugares do mundo. Isso que é importante para a gente”, afirma.

Apesar de estar concentrado em um só país, a organização do Rally Dakar prevê que o evento possa atrair outros países da região no futuro.

Gustavo Gugelmin e Reinaldo Varela esperam voltar ao topo do pódio na primeira edição do Dakar no Oriente Médio. Campeões em 2018, eles terminaram em terceiro na edição passada, e a vitória no rally do Marrocos, no mês passado, reforçou o otimismo da dupla para o próximo desafio.

“Estamos confiantes e vamos para subir ao pódio e brigar pelo 1° lugar. Vamos tentar trazer esse título para o Brasil e estamos prontos para lutar pela vitória”, conclui.

O Rally Dakar 2020 na Arábia Saudita tem largada no dia 9 e a chegada prevista para o dia 17 de janeiro.  

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.