Acessar o conteúdo principal
Final do Mundial de Clubes

38 anos depois, Flamengo “pede o mundo de novo” e reencontra o Liverpool no Catar

Torcedores rubro-negros
Torcedores rubro-negros Tiago Leme/ RFI

Resgatando o espírito do histórico título mundial de 1981, o Flamengo entra em campo neste sábado (21) em busca do bicampeonato do Mundial de Clubes, contra o Liverpool, em Doha, no Catar. O jogo será às 14h30 (horário de Brasília), no estádio Internacional Khalifa. Comandado pelo técnico português Jorge Jesus, o time carioca vem embalado pelas conquistas da Copa Libertadores e do Campeonato Brasileiro, com uma equipe que há tempos não apresentava um futebol tão bem jogado, e reencontra o clube inglês, mesmo adversário da final de 38 anos atrás.

Publicidade

Tiago Leme, especial para a RFI, em Doha (Catar)

Nos últimos dias, uma invasão rubro-negra tomou conta das ruas de Doha. De acordo com informações do governo do Catar, cerca de 20 mil brasileiros entraram no país árabe esta semana para assistir à decisão. E a música mais cantada pelos torcedores em festa na cidade ilustra bem o desejo de vencer a competição mais uma vez. Como diz a letra da canção, o povo flamenguista pede o mundo de novo.

“Em dezembro de 81, botou os ingleses na roda. 3 a 0 no Liverpool, ficou marcado na história”, relembra a letra. “E no Rio não tem outro igual, só o Flamengo é campeão mundial. E agora seu povo, pede o mundo de novo. Dá-lhe, dá-lhe, dá-lhe, Mengo, pra cima deles, Flamengo.”

Camisas do Flamengo em meio a roupas típicas

O principal ponto de encontro dos brasileiros em Doha é o Souq Waqif, um tradicional mercado que vende de tudo que se pode imaginar. Por lá, atualmente há uma mistura dos moradores locais vestidos com roupas típicas dos países islâmicos e torcedores com camisas e bandeiras do Flamengo, sendo que muitos adotaram os costumes árabes e colocaram um lenço rubro-negro na cabeça.

No entanto, como no centro histórico e na maior parte do Catar, a venda e o consumo de bebida alcoólica são proibidos. O jeito foi arrumar um bar dentro de um hotel internacional para poder beber cerveja e fazer festa até a hora da grande final.

Em 1981, a vitória por 3 a 0 sobre o Liverpool, com dois gols de Nunes e um de Adílio, deu ao Flamengo o primeiro título mundial de sua história, em jogo disputado em Tóquio, no Japão. Este ano, a oportunidade de jogar o torneio no Catar veio após a conquista da Libertadores, com uma virada épica da final diante do River Plate, por 2 a 1, após dois gols de Gabigol nos minutos finais do duelo em Lima, no Peru.

Torcedores empolgados com últimas performances

Apesar da força do Liverpool, atual campeão da Liga dos Campeões da Europa, a confiança da torcida rubro-negra é grande por causa dos feitos mais recentes da equipe. “A expectativa é a melhor possível até porque nós já enfrentamos o Liverpool em outra oportunidade e vencemos por 3 a 0. Lá em Lima, desde aquela partida pela final da Libertadores, nós ganhamos muitos títulos e temos jogado grandes jogos, com bons resultados”, contou o torcedor Asafe Kerven.

“Hoje acho que não é diferente. A história mostra que o Flamengo é forte e que tem muito para ganhar mais um Mundial e seguir conquistando várias taças nos próximos anos”, espera Asafe, que, assim como muitos outros flamenguistas, precisou fazer um esforço financeiro para comprar as passagens de avião até Doha.

Escalação sem surpresas

Para encarar os ingleses, o Flamengo não deve ter surpresas na escalação e vai com força máxima. O time deve ter a seguinte formação: Diego Alves, Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Marí e Filipe Luís; Willian Arão, Gerson, Everton Ribeiro e Arrascaeta; Bruno Henrique e Gabriel. Do outro lado, o Liverpool terá o desfalque do volante Wijnaldum, com uma lesão muscular. Com isso, o técnico alemão Jürgen Klopp deve escalar a equipe com: Alisson; Alexander-Arnold, Joe Gomez, Van Dijk, Robertson; Henderson, Keita e Milner; Salah, Firmino e Mané.

Antes de chegar à final deste sábado, a equipe do Rio de Janeiro venceu na semifinal o Al Hilal, da Arábia Saudita, por 3 a 1 na terça-feira (17), enquanto o time da Inglaterra bateu o Monterrey, do México, por 2 a 1 na quarta-feira (18).

Responsável por elevar o nível de atuação do Flamengo nesta temporada e colocar o clube no caminho dos títulos, Jorge Jesus fez elogios ao adversário, mas também mostrou ter consciência da qualidade dos jogadores que tem.

“A história do Liverpool nos últimos anos é de reconquista de seu prestígio como grande equipe da Europa e do mundo. O Klopp está fazendo uma recuperação espetacular, não só no inglês como na Champions”, indica. “A comparação que podemos ter é que o Flamengo vem de uma temporada de títulos. Os dois clubes estão recuperando o prestígio internacional. Como o Bruno Henrique diz, são duas equipes que estão em outro patamar”, disse o treinador português.

No Liverpool, apesar do favoritismo nas principais casas de apostas e pela diferença entre o futebol europeu e sul-americano, Jürgen Klopp pediu respeito ao time brasileiro e também destacou o trabalho realizado por Jesus do Flamengo.

“Ele fez um trabalho inacreditável. Se houvesse uma eleição agora, ele se tornaria presidente do Brasil, sem dúvida”, brincou. “Ele sempre teve muito sucesso como treinador no Sporting também. É um personagem. É famoso por ser muito organizado, com treinos interessantes e acompanho o que ele faz há algum tempo, mas acho que é a primeira vez que vamos nos enfrentar. Estou ansioso e empolgado para o jogo”, analisou o técnico alemão.

O confronto entre Jesus e Klopp, Gabigol, Bruno Henrique e companhia contra Salah, Firmino e outras estrelas vai definir neste sábado quem será o novo dono do mundo. A esperança dos flamenguistas é quebrar o domínio europeu dos últimos anos para fechar 2019 de uma maneira ainda mais especial.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.