Acessar o conteúdo principal
Esportes

“Quero aproveitar ao máximo o Lyon”, diz zagueiro Marcelo após perdoar torcedor que o chamou de burro

Áudio 06:02
O zagueiro do Lyon, Marcelo.
O zagueiro do Lyon, Marcelo. Foto: FRANCK FIFE / AFP

Depois de um período de crise com parte da torcida do Lyon, o zagueiro Marcelo foi convencido a ficar no clube francês e confirmou ter feito as pazes com seus adversários fora de campo.

Publicidade

Depois de um confronto verbal com um torcedor em Lisboa, na derrota de 2 a 1 para o Benfica, em outubro do ano passado, Marcelo passou a ser hostilizado por parte da torcida. E o episódio que quase fez o brasileiro sair do time aconteceu em dezembro, quando o Lyon empatou com o Leipzig em 2 a 2. A noite era para ser de festa com a classificação para a Liga dos Campeões, mas um torcedor invadiu o campo e exibiu uma camiseta com uma imagem de um burro ao lado de uma frase pedindo para o brasileiro “cair fora” do Lyon.

Jogadores saíram em defesa do zagueiro gerando confusão no gramado. Sem entrar em detalhes, Marcelo diz que o incidente já foi totalmente superado.

“Foi um desentendimento comigo e um líder da torcida do Lyon. A gente já se entendeu e está tudo certo. Como falei para todo mundo, o importante é a instituição, o clube, por isso. As duas partes se entenderam, pediram desculpas uma para a outra e a vida continua”, disse

Segundo a imprensa francesa, no auge da crise, alguns clubes teriam feito propostas para recrutar o zagueiro brasileiro, como o Corinthians, mas o jogador teria decidido ficar na Europa.

Sem confirmar os nomes, Marcelo admitiu que foi alvo de interesses de clubes, mas acabou convencido a ficar pelos dirigentes do clube. Ele confessou ter tomado a decisão após uma conversa com o presidente do clube, Jean-Michel Aulas e o diretor esportivo Juninho. “Teve algumas especulações, mas a conversa que eu tive com o presidente e o Juninho foi que a intenção deles agora era que eu não deveria sair. Eu sou profissional, tenho contrato com o clube e tenho que fazer meu trabalho aqui, mas agora está tudo bem. Todos tiveram papel importante e a minha vontade de ficar aqui também foi importante. No final, deu tudo certo”, disse em entrevista no domingo passado em Paris, após o jogo contra o PSG.

O assunto voltou à tona na entrevista coletiva em Lyon na sexta-feira, quando explicou em mais detalhes ter procurado o torcedor que o insultou e entregue uma camiseta assinada para selar a paz.

“Se foi a minha culpa ou dele, não importa. O perdão faz as coisas ruins acabarem. Estou feliz que isso tenha se resolvido. Quero aproveitar ao máximo esse clube, fazer o que tenho de melhor e quem sabe, a gente possa comemorar algo juntos num futuro próximo”, acrescentou.

O Lyon disputa em abril o troféu da Copa da Liga contra o Paris Saint-Germain, o carrasco do clube. No último confronto pelo campeonato francês, o time parisiense aplicou uma goleada de 4 a 2, apesar de o Lyon ter feito um bom segundo tempo e quase ter chegado ao empate.

Adaptação com novo treinador

Com contrato até 2021 com o clube lionês, Marcelo agora olha para o futuro e espera que a equipe continue sua progressão sob o comando do treinador Rudi Garcia.

O Lyon passou por várias mudanças de comando desde o início da temporada. O brasileiro Sylvinho, que deixou a seleção brasileira onde atuava ao lado de Tite para apostar na carreira de treinador do Lyon, foi demitido pelo clube após nove jogos pelo campeonato e dois pela Liga dos Campeões.

Ele acumulou uma série de derrotas e deixou o clube na 14° posição no campeonato. Depois de um período com um treinador interino, Rudi Garcia, ex-Olympique de Marselha foi contratado para dar um novo impulso à equipe.

“O Lyon foi uma equipe que mudou bastante do ano passado para cá. A troca de dois treinadores dificultou a falta de consistência e o crescimento. Mas o Rudi está conseguindo implantar a metodologia e a ideia que ele tem para o time. É difícil, mas estamos buscando o entrosamento. Temos que manter o nosso nível, é difícil, mas vamos tentar lutar para terminar entre os três do campeonato”, afirma.

O zagueiro Marcelo durante o jogo contra o Lille pela semifinal da Copa da Liga, em 21/01/2020.
O zagueiro Marcelo durante o jogo contra o Lille pela semifinal da Copa da Liga, em 21/01/2020. Foto: REUTERS/Emmanuel Foudrot

Atual 9° do campeonato, o Lyon tem também outro grande desafio antes da final da Copa da Liga, enfrentar pelas oitavas de final da Liga dos Campeões a Juventus de Turim, do atacante português Cristiano Ronaldo.

Ele diz que o time vai se preparar para enfrentar o adversário, amplamente favorito. “Se mantivermos o mesmo nível do segundo tempo contra o PSG, temos chance de classificação. Mas ainda tem uns dias pela frente e outros jogos, e ainda não estamos pensando e preocupados com eles ainda não”, desconversou.

Fazer história

Visivelmente aliviado com a nova fase vivida com o Lyon, depois de um período difícil pelas confusões com a torcida, Marcelo, que já passou pelo futebol polonês, holandês, alemão e turco, também quer entrar na lista de brasileiros que fizeram história com o clube, como o próprio diretor Juninho. 

“Todos os jogadores que fizeram história aqui, a maioria eram brasileiros. Claro que a gente se identifica. Ajuda também os jogadores mais jovens que estão chegando. Para mim também é fácil porque a comunicação, pois consigo falar várias línguas. É importante ter essa comunhão de brasileiros dentro do clube”, finalizou

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.