Acessar o conteúdo principal
Bélgica

Greve contra reforma na previdência paralisa a Bélgica

Servidores conversam com motorista em avenida bloqueada pelos grevistas em Bruxelas.
Servidores conversam com motorista em avenida bloqueada pelos grevistas em Bruxelas. REUTERS/Thierry Roge

Os servidores belgas fazem hoje uma greve geral de 24 horas contra uma importante reforma no sistema de aposentadorias do país. O parlamento belga deve se pronunciar nesta quinta-feira sobre a proposta do governo, que prevê o adiamento do início da aposentadoria antecipada de 60 para 62 anos. O objetivo é cortar gastos públicos, em um momento em que a Bélgica sofre os efeitos da crise na zona do euro.  

Publicidade

O governo do recém-empossado primeiro-ministro belga, Elio Di Rupo, enfrenta sua primeira greve do funcionalismo. A rede de transportes públicos de Bruxelas - metrô, ônibus e trens de subúrbio - está totalmente paralisada. O movimento também conta com uma boa adesão dos agentes ferroviários. Praticamente nenhum trem circula hoje no país, incluindo a linha Eurostar Londres-Bruxelas e a linha Thalys, que liga a capital belga a Paris. Hospitais, escolas, presídios e até os canais de televisão estatais aderiram ao protesto.

O projeto de lei do Executivo examinado hoje pelos deputados prevê mudanças nas aposentadorias antecipadas. A idade mínima legal de 65 anos, para benefício da pensão completa, não foi alterada, mas os servidores que desejarem se aposentar mais cedo terão de trabalhar no mínimo até 62 anos, dois anos a mais do que prevê a legislação atual. De quebra, o projeto elimina privilégios dos chamados "regimes especiais". A reforma foi proposta pelo ministro liberal Vincent Van Quickenborne, que é criticado pelos principais sindicatos do país.

Francis Wégimont, secretário-geral do sindicato CGSP, de tendência socialista, considera a greve de 24 horas um sucesso. Além de Bruxelas, Tournai e Liège têm os serviços públicos paralisados. Em Anvers, os motoristas de ônibus aderiram massiçamente ao movimento e em Limbourg pouquíssimos ônibus circulavam na manhã dessa quinta-feira.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.