Acessar o conteúdo principal
Itália/Naufrágio

Começa na Itália julgamento do capitão do Costa Concordia

O navio Costa Concordia naufragou na costa italiana em janeiro de 2012, matando 32 pessoas.
O navio Costa Concordia naufragou na costa italiana em janeiro de 2012, matando 32 pessoas. REUTERS/Darrin Zammit Lupi

O julgamento do capitão do Costa Concordia, Francesco Schettino, começou na manhã desta quarta-feira, 17 de julho de 2013, no Tribunal de Grosseto, na Itália, depois de ter sido adiado na semana passada por conta de uma greve de advogados. O comandante do navio que se acidentou em janeiro de 2012, em frente à ilha de Giglio, matando 32 pessoas, será julgado por homicídio culposo múltiplo e abandono de navio, além de outras acusações. Se for considerado culpado, Schettino pode pegar até 20 anos de prisão.

Publicidade

Além do comandante Schettino, que virou o grande vilão do caso e ficou conhecido como o "o homem mais odiado da Itália", a Justiça vai ainda avaliar a responsabilidade de outros cinco funcionários da empresa Costa Cruzeiros.

A promotoria propõe um acordo para reduzir a pena desses réus para entre um e dois anos de prisão após eles terem confessado erros. A Costa Concordia pagou um milhão de euros para sair da parte criminal do processo.

Esses acordos irritaram algumas pessoas. A presidente do grupo de vítimas francesas do naufrágio, Anne Decré, por exemplo, se recusou a ir ao julgamento e o chamou de "farsa". Mas ela espera que uma condenação de Schettino ajude a evitar novas tragédias.

"Eu espero apenas uma coisa: que isso sirva para salvar outras vidas. Minha única esperança é que um dia nós consigamos realizar um avanço das regras de segurança e que elas sejam, acima de tudo, realmente postas em prática", disse ela.

Mais de 400 das 4.229 pessoas que estavam a bordo eram de nacionalidade francesa. Seis delas morreram. Havia 56 brasileiros no navio e todos eles sobreviveram.

No total, o processo tem 242 partes, entre passageiros, prefeituras, empresas e grupos ambientalistas. Mais de 400 testemunhas serão citadas e o julgamento deve durar vários meses.

Veja fotos de britânicos esperando o bebê real na porta do hospital St. Mary

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.