Acessar o conteúdo principal
Costa Concordia/Desencalhe

Após dois anos e meio encalhado, Costa Concordia volta a flutuar

O Costa Concordia voltou a flutuar nesta segunda-feira (14), depois de dois anos e meio encalhado.
O Costa Concordia voltou a flutuar nesta segunda-feira (14), depois de dois anos e meio encalhado. REUTERS/Alessandro Bianchi

Dois anos e meio após naufragar na ilha de Giglio, o Costa Concordia voltou a flutuar na manhã desta segunda-feira (14), ao largo da Toscana. O navio de 290 metros de comprimento é objeto de uma grande operação para ser rebocado até Gênova (noroeste da Itália). O acidente durante um cruzeiro levou à morte de 32 pessoas. 

Publicidade

Na primeira etapa do desencalhe, técnicos injetaram ar em cerca de 30 flutuadores acoplados ao navio para torná-lo mais leve e obter sua elevação de cerca de dois metros. Seis horas após o início dos trabalhos, o engenheiro Franco Porcellacchia informou que o balanço da operação foi positivo.

O navio agora será estabilizado com a ajuda de correntes e cabos de aço. Em seguida, será rebocado até o porto de Giglio, onde será preparado para ser levado a Gênova, nos próximos dias. A embarcação vai ser totalmente destruída.

Desencalhe

Do ponto de vista técnico, erguer o Costa Concordia, depois de o navio passar dois anos e meio preso nos rochedos da ilha de Giglio, é uma operação inédita na história da Marinha mundial. Os 40 técnicos envolvidos atuam sob o comando do sul-africano Nick Sloane, um especialista em levantamento de navios.

O acidente com o Costa Concordia, no dia 13 de janeiro de 2012, deixou 32 mortos. O comandante Francesco Schettino é processado na Itália por responsabilidade no naufrágio e abandono do navio.

 

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.