Acessar o conteúdo principal
Ucrânia/acidente

Especialistas chegam à Ucrânia para investigar queda do voo MH17

Alexander Hug, le chef de la mission de l'OSCE en Ukraine, à proximité du site du crash du MH17, toujours tenu par les séparatistes ukrainiens.
Alexander Hug, le chef de la mission de l'OSCE en Ukraine, à proximité du site du crash du MH17, toujours tenu par les séparatistes ukrainiens. REUTERS/Sergei Karpukhin

Apesar dos combates entre governo e os separatistas, o grupo de peritos holandeses e australianos conseguiu chegar à região na Ucrânia onde caiu o Boeing da Malaysia Airlines e recebeu reforços nesta sexta-feira (1). Hoje, outras 14 pessoas morreram no conflito no país.

Publicidade

Pelo menos dez soldados ucranianos estão entre as vítimas. Segundo o governo, trata-se de uma emboscada dos rebeldes pró-russos em Chakhtarsk, a cerca de 25 quilômetros do local do acidente. As forças ucranianas retomaram a ofensiva nesta sexta-feira contra os separatistas, suspensas na véspera para favorecer a investigação internacional.

Um grupo de 70 especialistas e observadores da OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa), chegou na manhã desta sexta-feira ao local, anunciou a organização no Twitter.

Mais de duas semanas depois do acidente do voo MH17, que teria sido atingido por um míssil com 298 pessoas a bordo no dia 17 de julho, restos do Boeing e alguns cadáveres permanecem no local. Até agora, 196 haviam sido resgatados.

O grupo de especialistas teve o acesso à região do acidente proibido pelos separatistas, mas na quinta-feira eles conseguiram chegar até o local através de um caminho alternativo.

"Se houver restos humanos, eles serão recuperados imediatamente", disse o ministro holandês da Justiça, em um comunicado. As caixas-pretas já foram entregues ao grupo encarregado da investigação e foram enviadas ao Reino Unido para serem analisadas.

Policiais holandeses e australianos serão responsáveis pela segurança da missão

Uma missão de policiais armados holandeses e australianos, de cerca de 950 homens, deve chegar nesta sexta-feira ao local onde caiu o avião. Durante um encontro nesta quinta-feira em Minsk, os representantes ucranianos, separatistas e russos, se comprometeram a garantir a segurança dos especialistas, de acordo com um comunicado da OSCE.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.