Acessar o conteúdo principal
Itália/Imigração

Saldo de 800 mortos confirma pior tragédia com imigrantes no Mediterrâneo

Os sobreviventes do naufrágio do dia 19 de abril chegaram na noite de ontem a Catânia.
Os sobreviventes do naufrágio do dia 19 de abril chegaram na noite de ontem a Catânia. AFP PHOTO / ALBERTO PIZZOLI

O balanço de vítimas do naufrágio de um barco no último domingo (19) foi feito pelo Alto Comissariado da ONU para os refugiados e a Organização Internacional para as Migrações (OIM) que se basearam no testemunho dos 28 sobreviventes do drama. De acordo com os relatos, 800 pessoas morreram. O dado confirma que esta é a pior tragédia com imigrantes já registrada no Mar Mediterrâneo.

Publicidade

Gina Marques, correspondente da RFI em Roma

Os sobreviventes do naufrágio de domingo, entre eles crianças de 10 anos, chegaram na noite de segunda-feira (20) a Catânia na ilha da Sicília em um navio da guarda costeira italiana. Entre os 27 homens estavam dois supostos traficantes de seres humanos, o comandante tunisiano e um sírio membro da tripulação, que foram detidos pela polícia.

O 28° e último sobrevivente do drama teve que ser resgatado de helicóptero e encaminhado ao hospital de Catânia, devido ao seu estado de saúde. Segundo os relatos, havia no barco imigrantes da Eritréia, Somália, Síria, entre outras nacionalidades. O barco partiu do litoral da Líbia e naufragou depois de um movimento de pânico dos passageiros, ao avistarem um cargueiro português chamado para salvá-los.

Novos naufrágios

O primeiro ministro-italiano Matteo Renzi anunciou linha dura para combater os atravessadores que, segundo ele, são responsáveis pelas milhares de vítimas no mar Mediterrâneo. Na segunda-feira (20) houve mais uma tragédia: um barco com cerca de 200 imigrantes naufragou na costa da ilha de Rodes, na Grécia. Três pessoas morreram e cerca de 80 sobreviventes foram resgatados.

Na semana passada, 450 imigrantes já haviam morrido em acidentes e ontem duas embarcações com cerca de 400 pessoas pediram socorro após terem saído do litoral líbio.

Cúpula extraordinária UE

Na próxima quinta-feira (23), o Conselho Europeu extraordinário vai discutir mais uma vez o problema da imigração ilegal. Neste encontro os líderes europeus deverão avaliar o pacote de dez medidas proposto ontem em Luxemburgo na reunião dos ministros das Relações Exteriores e do Interior da União Europeia.

As medidas incluem um aumento dos recursos financeiros do Frontex, a agência de segurança das fronteiras da Europa, que coordena a operação Triton responsável pela patrulha no Mar Mediterrâneo. A União Europeia tem sido criticada pelo procedimento da Triton, que substituiu uma operação mais ampla realizada pela Itália, a Mare Nostrum, em novembro do ano passado.

O pacote prevê a destruição dos barcos de traficantes de pessoas, mas exclui intervenção militar na Líbia, país em guerra civil de onde partem 91 % dos imigrantes. Segundo estimativas, o tráfico de seres humanos rendeu ilegalmente no ano passado cerca de € 7 bilhões, aproximadamente R$ 25 bilhões.

Serão discutidas também as atuais regras sobre os pedidos de asilo que atualmente devem ser feitos no país de ingresso, como estabelece o tratado de Dublin. Entre outras medidas está o cadastramento de todos os imigrantes, um programa voluntário de transferência de imigrantes a vários países europeus; oferta de ajuda para retorno aos países de origem além da presença de oficiais de imigração em países-chave para recolher informações secretas e investigar os fluxos imigratórios.

Confira o número de mortos e os locais dos últimos naufrágios no Mar Mediterrâneo:

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.