Acessar o conteúdo principal
Crise Migratória

Para premiê da Hungria, refugiados ameaçam “raízes cristãs” da Europa

Refugiados retidos na estação de trens de Budapeste.
Refugiados retidos na estação de trens de Budapeste. REUTERS/Laszlo Balogh

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, alertou os dirigentes europeus nesta sexta-feira (4) de que o fluxo de migrantes é “inesgotável” e que os europeus podem, no futuro, ser minoritários em seu próprio continente. Para o premiê, o fluxo que hoje é de milhares de pessoas pode se tornar milhões até o final do ano e representa um risco para as “raízes cristãs” da Europa.

Publicidade

“Temos o direito de decidir não receber um grande número de muçulmanos em nosso país”, declarou Orban. Ele defendeu a decisão de fechar a estação de trens de Budapeste, onde milhares de refugiados aguardam para embarcar rumo à Alemanha.

Segundo o primeiro-ministro, os migrantes não querem ficar na Hungria, mas o governo não pode deixá-los atravessar o país, porque a Áustria pode querer fechar suas fronteiras. O governo húngaro pretende liberar a viagem apenas para os que tiverem vistos.

O Alto-comissário da ONU para os refugiados, Antonio Guterres, defendeu nesta sexta-feira (4) a repartição de pelo menos 200 mil candidatos a asilo entre os países da União Europeia. Segundo ele, diante do afluxo excepcional de refugiados, todos os 28 países membros do bloco devem participar do programa.

Antonio Guterres disse que a única solução para o problema dos refugiados a médio e longo prazos deve ser uma estratégia comum baseada na responsabilidade, solidariedade e confiança. Ele criticou a maneira pouco digna como os migrantes, especialmente os que fogem de guerras na Síria, Iraque e Afeganistão, são tratados.

Paris, Berlim e Londres

Na quinta-feira (3), Paris e Berlim anunciaram uma proposta comum para acolher os refugiados. O presidente François Hollande e a chanceler Angela Merkel querem uma melhor organização e distribuição igualitária dos refugiados na Europa. Merkel defende um sistema de cotas obrigatórias. O presidente francês evitou o termo, mas disse aceitar um "mecanismo permanente e obrigatório".

Segundo a imprensa britânica, o primeiro-ministro David Cameron, muito criticado pela falta de comprometimento com a crise até agora, poderá anunciar hoje um plano para acolher milhares de refugiados no Reino Unido. O assunto foi discutido em regime de urgência pelo gabinete do chefe de governo.

O governo grego anunciou a criação de um centro de coordenação para organizar a acolhida aos refugiados que chegam em massa ao país. A ONU confirmou hoje que 5.600 migrantes entraram na Macedônia através da Grécia.

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.