Acessar o conteúdo principal
Turquia/UE

Turquia prende 1.300 migrantes a caminho da Europa

Migrantes aproveitam a proximidade da com a ilha grega de Lesbos para entrar na Europa pela costa da Turquia.
Migrantes aproveitam a proximidade da com a ilha grega de Lesbos para entrar na Europa pela costa da Turquia. REUTERS/Yannis Behrakis

As autoridades turcas anunciaram nesta segunda-feira (30) a prisão de cerca de 1.300 pessoas que se preparavam para entrar ilegalmente na União Europeia. As detenções aconteceram poucas horas após a conclusão de um acordo assinado entre Ancara e Bruxelas para controlar a imigração clandestina no bloco.

Publicidade

Segundo os responsáveis da Guarda Costeira turca, os migrantes, vindos da Síria, Iraque, Afeganistão e Irã, foram detidos na região de Ayvacik, quando se preparavam para fazer a travessia rumo à ilha grega de Lesbos, do outro lado do mar Mediterrâneo. Os imigrantes foram colocados em um centro de detenção e alguns deles poderão ser enviados para seus países de origem. De acordo com as autoridades locais, três traficantes estavam entre os detidos.

A Turquia aceitou no domingo colaborar com a União Europeia para conter a crise migratória em troca de uma ajuda financeira de € 3 bilhões, além de ajudar Ancara a acolher de forma digna os refugiados sírios. O governo turco se comprometeu a controlar suas fronteiras com a Europa, principal porta de entrada da imigração, filtrando os migrantes econômicos irregulares e cooperando na luta contra os traficantes que agem em sua costa.

Em quatro anos e meio, a guerra na Síria matou mais de 250.000 pessoas e causou o deslocamento de 12 milhões. A Turquia já recebeu mais de 2,2 milhões de sírios e agora, com o acordo, tem a garantia de que não vai arcar sozinha com essa carga financeira.

Segundo o presidente com Conselho Europeu, Donald Tusk, cerca de 1,5 milhão de pessoas entraram ilegalmente na União Europeia em 2015, pelo menos um terço deles passando pela Turquia.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.