Acessar o conteúdo principal
UE

Temendo refugiados de Calais, Bélgica instaura controle na fronteira com a França

Ao reforçar sua fronteira com a França, a Bélgica suspende temporariamente os termos do espaço Schengen, que autoriza a livre circulação de pessoas no bloco europeu.
Ao reforçar sua fronteira com a França, a Bélgica suspende temporariamente os termos do espaço Schengen, que autoriza a livre circulação de pessoas no bloco europeu. REUTERS/Wolfgang Rattay

A Bélgica anunciou nesta terça-feira (23) que vai restabelecer temporariamente o controle em sua fronteira com a França. A medida visa evitar uma possível entrada em seu território de refugiados vindos principalmente do acampamento de Calais, no litoral norte francês.

Publicidade

“Informamos à Comissão Europeia que vamos cancelar temporariamente Schengen", indicou o ministro belga do Interior, Jan Jambon, em referência às regras de livre circulação de pessoas dentro do espaço europeu. A decisão foi tomada por Bruxelas após a França anunciar que iria desalojar parte dos 3.700 migrantes que acampam em Calais enquanto esperam para tentar atravessar ilegalmente o Canal da Mancha rumo o Reino Unido.

O endurecimento dos controles no Canal da Mancha fez com que a rota dos migrantes fosse desviada até o porto belga de Zeebrugge. "Queremos evitar, a todo custo, acampamentos como o de Calais, na Bélgica. É uma questão de preservação da ordem", declarou o ministro, que também decidiu reforçar a vigilância na zona portuária belga.

Schengen fechado em 7 países

O controle das fronteiras já havia começado na noite de segunda-feira (22), quando as autoridades prenderam 32 pessoas em Adinkerke, do lado belga da fronteira, e foi reforçado com mais de 250 policiais. Segundo Jambon, a vigilância será concentrada em alguns pontos, “nos locais usados pelos migrantes e seus intermediários, identificados pela polícia”.

Com a decisão, a Bélgica se torna o sétimo país membro do espaço Schengen a restabelecer os controles em suas fronteiras. Além dos belgas, Dinamarca, Noruega, Suécia, Áustria, Alemanha e França tomaram medidas para dificultar a entrada de migrantes no país.

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.