Acessar o conteúdo principal
Bélgica/terrorismo

Salah Absdeslam deixa hospital e passa por interrogatório em Bruxelas

A operação policial que resultou na prisão de Salah Abdeslam durou três horas.
A operação policial que resultou na prisão de Salah Abdeslam durou três horas. AURORE BELOT / BELGA / AFP

Salah Absdeslam, 26 anos, um dos suspeitos de ter planejado os atentados de 13 de novembro em Paris, e um de seus cúmplices, deixaram o hospital Saint-Pierre, em Bruxelas, na manhã deste sábado (19). Os jihadistas foram levemente feridos durante a operação policial que resultou na prisão de cinco extremistas, nesta sexta-feira.

Publicidade

 Salah Absdelam está sendo interrogado na sede da Polícia Federal Belga. Em seguida, ele poderá ser transportado à prisão de Bruges, a 85 quilômetros da capital, onde existe um setor especial destinado aos terroristas.

De acordo com a rádio francesa France Info, a cela número 8 está reservada a Salah Absdelam há vários meses. Os outros três homens presentes no momento da detenção do jihadista estão presos em uma delegacia do bairro e poderão ser indiciados ainda hoje.

Salah Abdeslam foi preso durante uma ação policial depois da descoberta de uma impressão digital em um apartamento na cidade de Forest, na periferia de Bruxelas. Ele foi interceptado em uma casa de dois andares, localizada na rua Quatre Vents, em Molenbeek, bairro popular onde viviam vários dos extremistas envolvidos nos atentados de Paris.

França pedirá extradição do jihadista

De acordo com o presidente francês François Hollande, o país deverá pedir rapidamente sua extradição, que não deve ocorrer antes de dois meses, respeitando todos os trâmites legais. Na França, o jihadista deverá passar por novos interrogatórios.

O chefe de estado francês deixou a cúpula União Europeia-Turquia quando soube da prisão do jihadista. Nesta sexta-feira, o presidente americano, Barack Obama, ligou para Hollande e para primeiro-ministro belga, Charles Michel, para parabenizá-los pela prisão de Abdeslam.

A prisão do jihadista é interpretada como um golpe no grupo Estado Islâmico, segundo o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve. As operações da última semana, disse," permitiram neutralizar diversos invidíduos extremamente perigosos e determinados".

Com informações da AFP
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.