Acessar o conteúdo principal
Brexit/Jo Cox

Morte de deputada acontece uma semana antes de referendo sobre Brexit

Local onde a deputada trabalhista Jo Cox foi atacada, em Birstall, norte da Inglaterra.
Local onde a deputada trabalhista Jo Cox foi atacada, em Birstall, norte da Inglaterra. REUTERS/Craig Brough

A deputada trabalhista britânica Jo Cox, de 41 anos, morreu nesta quinta-feira (16) depois que um homem disparou contra ela em plena luz do dia em Birstall, no norte da Inglaterra, informou a polícia. O assassinato acontece a uma semana do referendo que vai decidir pela permanência, ou não, do Reino Unido na União Europeia (UE).

Publicidade

Testemunhas relatam que o agressor da deputada, partidária da permanência do Reino Unido na UE, teria gritado “Reino Unido primeiro”, um lema da ultradireita britânica. Com ferimentos de faca e tiros, Cox foi levada de helicóptero a um hospital de Leeds, mas não resistiu. A morte foi constatada às 12h48, horário local (8h48 em Brasília). Um outro homem foi ferido levemente, informou a polícia.

Um suspeito de 52 anos foi detido para interrogatório e várias testemunhas foram ouvidas pela polícia. Os vizinhos descrevem o homem como um “solitário”.

Líderes pró e contra o Brexit lamentam morte de Cox

“A família dos Trabalhistas e o país inteiro estão sob choque e muito tristes”, declarou Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista, o Labour, pelo Twitter. “A morte de Jo Cox é uma tragédia. Ela era uma deputada engajada e afetuosa. Meus pensamentos vão para seu marido Brendan e seus dois filhos”, comentou o premiê David Cameron, em uma coletiva de imprensa.

Logo que a agressão foi divulgada, o campo militante pró-União Europeia anunciou a suspensão da campanha pelo resto do dia. O ex-prefeito de Londres Boris Johnson, líder do movimento pelo Brexit, ou seja, a saída do Reino Unido da UE, também cancelou as atividades programadas para esta quinta-feira. Já David Cameron anulou um evento pró-UE em Gibraltar, onde ele chegou durante a tarde.

O ataque aconteceu perto da biblioteca municipal de Birstall, onde Cox encontrava regularmente sua equipe. A deputada foi eleita nas eleições legislativas de 2015.

Quem era Jo Cox

A deputada trabalhista era casada com Darren Cox e era mãe de dois meninos, de 3 e 5 anos. Ela dividia seu tempo entre Londres e o distrito pelo qual se elegeu, Batley and Spen, no norte da Inglaterra.

Em um recente artigo, no qual pediu um tratamento digno aos refugiados sírios, e assinado juntamente com o conservador Andrew Mitchell, ela escreveu que "não há dignidade em deixar ignorar civis sendo assassinados e dizimados. Não havia desculpa na Bósnia, nem em Ruanda, e não há agora".

Cox era copresidente do grupo parlamentar Amigos da Síria, e era membro ativa de outros grupos de deputados que trabalhavam em assuntos relacionados com a Palestina, o Paquistão ou a Caxemira.

Jo Cox nasceu em 22 de junho de 1974 em Dewsbury, no norte da Inglaterra. Frequentou escolas da área e depois na Universidade de Cambridge, tornando-se a primeira pessoa de sua família a conquistar um diploma universitário. Após a universidade, começou a trabalhar no Parlamento, para a deputada trabalhista Joan Walley, e ajudou a criar a organização pró-europeia 'Britain in Europe'.
 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.