Acessar o conteúdo principal
Linha Direta

Espanha segue sem maioria para governar após eleições parlamentares

Áudio 04:37
Mariano Rajoy,o presidente do partido popular, e os militantes do partido festejam a vitória
Mariano Rajoy,o presidente do partido popular, e os militantes do partido festejam a vitória REUTERS/Marcelo del Pozo

Pela segunda vez em seis meses, a Espanha foi às urnas neste domingo (26) para escolher um novo chefe de governo e renovar seu Parlamento. O vencedor foi novamente o conservador Partido Popular, atualmente no poder, mas a sigla não conseguiu maioria para governar. O resultado mergulha o país em uma incerteza política ainda maior, após meses de tentativas, em vão, de uma aliança entre os partidos para formar um governo  

Publicidade

Luisa Belchior, correspondente da RFI em Madri

A sigla de Rajoy conseguiu um terço dos votos, obtendo 137 assentos no Parlamento, 14 a mais do que em dezembro. É um número insuficiente para governar, já que a maioria é de 176 votos. Em segundo lugar ficou o Partido Socialista, que as pesquisas de opinião davam como terceiro colocado. Os socialistas levaram 85 cadeiras no Parlamento, à frente dos 71 conquistados pelo Podemos, a sigla de extrema-esquerda que terminou em terceiro lugar. Em quarto ficou o Cidadãos, um partido jovem catalão de centro-direita, que angariou 32 assentos parlamentares. Esses três partidos perderam votos na comparação com a votação de dezembro.

O resultado complica a formação de uma aliança, principalmente porque o Podemos e Cidadãos, partidos menores, mas vistos como peças-chave para esses acordos, perderam votos. Agora, a única aliança que garante a maioria no Parlamento é entre os conservadores e os socialistas, tradicionais adversários que se revezam no poder desde a reabertura democrática da Espanha, na década de 1980.

Líder dos socialistas recusa aliança com chefe do governo

O  líder dos socialistas, Pedro Sánchez, já avisou no domingo que não fará um pacto com Mariano Rajoy, que disse que começaria já nesta segunda-feira a conversar com líderes de outros partidos. O socialista Pedro Sánchez reconheceu a derrota, mas disse que sua sigla continua sendo a liderança da esquerda, fragmentada no país em parte por conta de sua baixa popularidade entre os eleitores tradicionais de seu partido. Já o líder do Podemos, Pablo Iglesias, um dos grandes destaques deste pleito por aparecer em segundo nas principais pesquisas, pediu união das forças progressistas do país para combater o conservadorismo. O líder do Cidadãos, o jovem Albert Rivera, disse que o resultado não deixa de mostrar o poder das novas forças de centro no país.

Espanha segue sem governo

Os partidos mergulham a partir desta segunda-feira em uma nova roda de negociações, algo que fizeram em vão nos últimos seis meses. O único pacto obtido foi entre os socialistas e o Cidadãos, mas o número de votos dos dois não garantia a maioria para governar. Sem alianças, o rei da Espanha, Felipe VI, normalmente alheio à decisões políticas, interveio e convocou novas eleições, realizadas no domingo. Mas o pleito só aumentou a incerteza política e o ceticismo dos espanhóis com seus governantes, que já falam de uma terceira possível eleição ainda este ano, na falta de novos pactos. Enquanto isso, a Espanha é comandada por um governo interino, com Rajoy à frente mas sem conseguir aprovar medidas importantes, como as reformas que a União Europeia vem exigindo de Madri.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.