Acessar o conteúdo principal
Linha Direta

Após ataque em trem, refugiados sem pais se tornam preocupação na Alemanha

Áudio 05:44
Jovem refugiado afegão em vídeo em que diz estar a serviço do grupo Estado Islâmico.
Jovem refugiado afegão em vídeo em que diz estar a serviço do grupo Estado Islâmico. Reprodução

Dias após um jovem refugiado ter atacado com machado e faca passageiros de um trem no sul da Alemanha, o país discute as consequências do atentado. A mídia alemã debate sobre a acolhida a refugiados menores de idade que chegam desacompanhados ao país, como foi o caso do adolescente que praticou o ataque em Würzburg.

Publicidade

Marcio Damasceno, correspondente da RFI Brasil em Berlim

As autoridades alemãs afirmaram que muito possivelmente o jovem tinha contatos com o grupo Estado Islâmico e que é ele quem aparece em um vídeo divulgado pelos extremistas com uma faca na mão e fazendo ameaças. Nas imagens, o refugiado de 17 anos diz ser soldado do Estado Islâmico e fala que realizaria o que chama de “operações” na Alemanha. O vídeo havia sido divulgado por uma agência ligada ao grupo terrorista.

Além disso, as autoridades do estado da Baviera, onde ocorreu o ataque, disseram ter encontrado uma carta de despedida do autor do atentado. No texto há indícios de que o agressor foi motivado pelo islamismo radical.

Além disso, foi encontrada uma bandeira do Estado Islâmico no quarto do suspeito. Segundo testemunhas, o agressor também teria gritado “Alá é grande” durante o ataque, realizado em um trem regional nos arredores de Würzburg. Ele também estava vestido com uma camiseta que trazia letras árabes similares aos da bandeira do grupo extremista.

Os investigadores suspeitam que o jovem teria sido abalado também pela notícia da morte de um amigo dele no Afeganistão. Ele teria recebido essa notícia no sábado, quer dizer, dois dias antes de praticar o ataque.

As autoridades alemãs evitam o termo “terrorismo” quando falam do atentado, se limitando até agora a descrever o ataque, que deixou cinco feridos como uma ação com motivação "política" e "religiosa islâmica".

Os investigadores ressaltam que, apesar de o vídeo ser autêntico, não existem ainda provas de que o agressor mantinha realmente contato com o Estado Islâmico. Segundo a rede alemã de televisão ZDF, existem dúvidas se o adolescente realmente vem do Afeganistão, como se vinha pensando até agora. No quarto do jovem teriam sido encontrados documentos do Paquistão.

O que é considerado certo até agora é que o adolescente chegou a Alemanha no dia 30 de junho do ano passado e deu entrada em pedido de asilo em dezembro, tendo obtido no final de março permissão para permanecer no país. Ele não tinha registros policiais.

Refugiados menores de idade

Até agora o ataque não chegou a provocar manifestações de descontentamento com a política de refugiados alemã. Alguns pedem uma melhoria das condições dos refugiados e mais esforços do Estado para integrá-los.

Mas é claro que existe o temor de que os partidos populistas de direita se aproveitem do ocorrido para culpar a abertura das fronteiras aos refugiados, como a ocorrida no ano passado. Também é possível que comecem a aparecer dúvidas na política de acolhida aos imigrantes, como as dúvidas que apareceram após os ataques sexuais ocorridos na festa de Ano Novo, em Colônia.

Ainda é cedo para dizer isso que o temor dos alemães em relação a refugiados aumenta com este episódio. Pode ser que seja constatado um crescimento deste temor em relação a imigrantes, como ocorreu após os ataques de Ano Novo, em que dezenas de mulheres foram atacadas sexualmente na Alemanha por grupos de homens, cuja maioria era de imigrantes do norte da África. Mas ainda é cedo para se dizer isso.

O ministro alemão da Casa Civil, Peter Altmaier descartou em entrevista à televisão que haja um alto perigo de terrorismo especificamente ligado a imigrantes. Segundo ele, o risco de que refugiados pratiquem um ato terrorista não é maior do que em outras parcelas de população.

O que começa a aparecer agora na mídia alemã é uma discussão sobre a acolhida a refugiados menores de idade que chegam desacompanhados à Alemanha, como foi o caso do adolescente que praticou o ataque no trem.

Especialistas alertam para o perigo de que islamistas radicais tentem doutrinar jovens imigrantes que moram em abrigos para asilados. Depois do ataque ao trem ocorrido na noite de segunda-feira, já existem pessoas que pedem que haja um maior esforço por parte do governo alemão para integrar melhor jovens imigrantes na sociedade alemã.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.