Acessar o conteúdo principal
Turquia

Uma semana após tentativa de golpe, Erdogan amplia repressão na Turquia

Presidente turco concede entrevista exclusiva ao canal France24.
Presidente turco concede entrevista exclusiva ao canal France24. Reprodução

A repressão política atingiu seu auge na Turquia uma semana após a tentativa de golpe de Estado contra o presidente Recep Tayyip Erdogan. Em entrevista concedida neste sábado (23) ao canal France24, do mesmo grupo da RFI, o líder turco rechaçou as críticas feitas pela União Europeia sobre a onda repressiva no país.

Publicidade

“A União Europeia é tendenciosa e preconceituosa e continuará a agir desta maneira”, disse Erdogan. Uma série de novas medidas foi anunciada neste sábado pelo governo, entre elas a ampliação do tempo das prisões temporárias de quatro para 30 dias.

O Estado de Emergência também levou ao fechamento de mil escolas privadas, 15 universidades e 19 sindicatos, entre outras instituições, todos acusados de ligação com o teólogo Fethullah Gülen, que vive exilado nos Estados Unidos e a quem Erdogan credita a responsabilidade pela tentativa de golpe.

Na sexta-feira, cerca de 300 militares da guarda presidencial, 10% deste regimento, foram presos. Segundo o próprio governo, 11 mil pessoas, entre militares, professores e servidores foram interpelados pela polícia desde a tentativa de golpe.

Provocações à União Europeia

Bruxelas ameaça as suspensões de negociação da adesão da Turquia à União Europeia, caso o governo turco volte a estabelecer a pena de morte. Na entrevista à France24/RFI, Erdogan disse esta será uma decisão do povo. “Se o meu povo, meu país, pede sem parar a pena de morte e se os representantes do povo no parlamento concordam, devo respeitar este pedido”, disse o líder turco.

O presidente islamo-conservador fez pouco caso das ameaças de Bruxelas. “Faz 53 anos que a Europa nos deixa esperando na porta”, provocou, em referência à primeira tentativa de adesão, ocorrida em 1963, seguida de um pedido formal em 1987 e do início do processo de negociação em 2005.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.