Acessar o conteúdo principal
Itália/migrantes

Itália reforça ações contra tráfico humano e radicalização islâmica

Primeira mesquita da Itália, na Catânia.
Primeira mesquita da Itália, na Catânia. Io'/wikimedia commons

Um tunisiano suspeito de dirigir uma rede de tráfico de migrantes e de estar vinculado ao extremismo islâmico foi detido nesta sexta-feira (5) na região de Nápoles (sul), anunciou o grupo de operações especiais (ROS) dos carabineiros italianos.

Publicidade

O caso, no qual oito pessoas foram detidas, entre elas o suposto chefe, envolve uma organização que fornecia falsos contratos de trabalho a migrantes ilegais da África do Norte em fábricas de tecidos na região, o que lhes permitia obter vistos de residência, informaram os investigadores.

Segundo os carabineiros, o suposto responsável da organização, um tunisiano de 41 anos, se radicalizou nos últimos doze meses. O suspeito havia elogiado nas redes sociais os ataques terroristas de Paris. As autoridades temem que a Itália seja palco de atos de “lobos solitários”, como os que tem sido praticados na França, Bélgica e Reino Unido.

Governo italiano intensifica expulsões de suspeitos

A operação dos ROS coincide com a multiplicação das expulsões de estrangeiros suspeitos de radicalização nas últimas semanas na Itália, como Aftab Faook, jovem paquistanês que já chegou a ser capitão da equipe italiana de críquete de até 19 anos.

"A intensa atividade de prevenção para reduzir ao máximo possível o nível de risco na Itália continua", afirmou na quinta-feira (4) o ministro do Interior, Angelino Alfano.

O jornal La Stampa informa que o governo de centro-esquerda está estudando a formação de uma comissão de especialistas para a formulação de propostas de combate à radicalização da população muçulmana no país, com diretivas para a identificação de potenciais suspeitos e parâmetros para monitorar mesquitas, locais de trabalho e escolas sujeitas à infiltração de elementos extremistas.

 

(com informações da AFP)
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.