Acessar o conteúdo principal
Itália

Menino que cruzou o Mediterrâneo para salvar irmão comove Itália

Refugiados acampam em Como, na Itália, que enfrenta chagada em massa de imigrantes durante o verão.
Refugiados acampam em Como, na Itália, que enfrenta chagada em massa de imigrantes durante o verão. REUTERS/Arnd Wiegmann/File Photo

Uma corrente de solidariedade se formou na Itália para ajudar um garoto egípcio de 13 anos que cruzou sozinho o Mar Mediterrâneo a bordo de uma embarcação de migrantes, em busca de um médico para salvar seu irmão, gravemente doente. A história comoveu o país nesta semana.

Publicidade

Ahmed viajou para a ilha de Lampedusa em uma barca, com o objetivo de encontrar um médico na Europa para salvar o irmão menor, que sofre de uma doença sanguínea rara e está no Egito. Ao chegar à costa italiana, o menino pediu ajuda às autoridades mostrando um atestado médico confirmando a doença grave.

Dois dias após a publicação da epopeia do chamado " heroizinho de Lampedusa", a imprensa italiana afirmou que o hospital Careggi, de Florença, na Toscana, ofereceu-se para acolher e cuidar do irmão de Ahmed, de sete anos de idade. De acordo com o jornal Il Corriere della Sera, a história do adolescente migrante comoveu o primeiro-ministro Matteo Renzi, ex-prefeito de Florença, que pediu para as autoridades da cidade ajudarem o garoto.

Menino vai receber tratamento

Uma ponte aérea está sendo organizada para transportar a criança doente e sua família para a Itália. Ahmed ficará alojado em um centro de acolhimento infantil para migrantes não acompanhados perto de Florença, informou o jornal.

Desde o início do ano, a Itália enfrenta um aumento nas chegadas de crianças migrantes não acompanhadas, número que duplicou em relação ao ano passado, no mesmo período. Dos mais de 100 mil migrantes que desembarcaram este ano, cerca de 13,7 mil eram menores não acompanhados, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

As crianças migrantes que viajam sozinhas, sem um acompanhante adulto, vêm principalmente da Gâmbia, Eritreia e Egito, e têm em média 16 anos de idade.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.