Acessar o conteúdo principal

Decepção com políticos na Islândia pode levar Partido Pirata ao poder

Birgitta Jonsdottir, líder do Partido Pirata islândês, em sua sala no parlamento em Reykjavik
Birgitta Jonsdottir, líder do Partido Pirata islândês, em sua sala no parlamento em Reykjavik REUTERS/Gwladys Fouche

Depois do escândalo do Panama Papers, que levou o primeiro-ministro islandês a pedir demissão, os eleitores se voltaram para o jovem partido contestador, que tem 26% de intenção de voto nas legislativas deste sábado (29).

Publicidade

Desde 2012, o Partido Pirata milita pela transparência da vida pública, pela reforma das instituições e pelas liberdades públicas. A determinação dos contestadores rendeu seus frutos diante da corrupção e da desilusão dos islandeses com as principais formações políticas como o Partido conservador da Independência ou o movimento da esquerda verde.

O pequeno grupo de ativistas, que tem somente três cadeiras no parlamento, pode obter 16 do total de 63, tendo hoje 20% das intenções de voto.

Nesse contexto, os "piratas" estão na segunda posição, atrás dos conservadores do Independência, partido do governo. O impacto desse cenário é certamente uma coalizão com outros partidos de oposição, o que poderia formar uma maioria e levá-los ao poder, um fato inédito na Europa.

Como o Partido Pirata seduziu o eleitorado islandês?

O escândalo do Panama Papers, que levou o primeiro-ministro Sigmundur David Gunnlaugsson a se demitir em 5 de abril, depois da descoberta de sua empresa offshore no paraíso fiscal, foi o estopim.

A militante do Pirata, Sara Oskarsson, foi uma das principais organizadores das manifestações contra a corrupção, e hoje é uma forte candidata da jovem formação. A chefe e co-fundadora do partido, a poetisa punk Birgitta Jonsdottir, pensa que protestar nas ruas funcionou, mas que a nova etapa é protestar de dentro do parlamento.

Apesar dos ventos favoráveis, a líder não se ilude. em entrevista ao jornal Le Monde, ela afirma que "não espera uma revolução e será preciso fazer compromissos".

A resposta estará nas urnas neste sábado.

 

 

 

 

 

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.