Acessar o conteúdo principal
Música/Segurança

Alemanha não confirma ameaça terrorista e autoriza festival de rock

O festival Rock am Ring acontece nas proximidades de Koblenz, na Alemanha.
O festival Rock am Ring acontece nas proximidades de Koblenz, na Alemanha. INSTAGRAM / @ZUZIA93 / via Reuters

Os 90 mil participantes do festival Rock am Ring, evacuados ontem à noite nas proximidades de Koblenz (sudoeste) devido a uma ameaça terrorista, já podem retornar ao local para assistir à programação prevista no sábado (3) e domingo (4). Depois de vistoriar minuciosamente as instalações, as autoridades de segurança da região da Renânia-Palatina não encontraram elementos indicando um risco iminente de ataque terrorista.

Publicidade

A decisão da polícia de evacuar o público do maior festival do gênero na Alemanha foi motivada pela descoberta de três pessoas contratadas pela organização, por intermédio de empresas terceirizadas, que seriam simpatizantes da corrente salafista do islamismo, a mesma dos jihadistas do grupo Estado Islâmico e de outras organizações extremistas.

Em uma coletiva de imprensa, nesta manhã, o responsável pela polícia de Koblenz, Wolfgang Fromm, esclareceu que os suspeitos foram detidos ontem, no âmbito das investigações, mas já foram liberados. "Ao menos um deles, que não é de nacionalidade alemã e é fichado por ligação com o terrorismo islamita, tinha acesso aos bastidores do festival", disse o policial. Em seguida, Fromm acrescentou que "as suspeitas de perigo iminente não foram confirmadas". As autoridades autorizaram, então, a retomada das instalações dos palcos.

A retirada do público aconteceu sem incidentes na noite de sexta-feira. O grupo berlinense Rammstein era a principal atração da noite. Ao todo, 85 concertos estão programados nos quatro palcos montados para o festival. A polícia alemã havia reforçado a segurança, com 1.200 homens suplementares, depois do atentado no final do show da cantora americana Ariana Grande, no dia 22 de maio passado, em Manchester. O atentado no Reino Unido deixou 22 mortos e foi reivindicado pela organização Estado Islâmico.

Com informações da AFP

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.