Acessar o conteúdo principal
Portugal

Ministra do Interior de Portugal pede demissão após incêndios florestais

Mortes nos incêndios florestais causam demissão de ministra do Interior de Portugal
Mortes nos incêndios florestais causam demissão de ministra do Interior de Portugal Spanish Defence Ministry/UME/Luismi Ortiz

A ministra do Interior de Portugal, Constança Urbano de Sousa, pediu demissão nesta quarta-feira (18) após as fortes críticas ao governo por sua gestão dos incêndios florestais, que deixaram mais de cem vítimas em quatro dias.

Publicidade

O primeiro-ministro Antonio Costa, à frente de um Executivo que governa em minoria com o apoio da esquerda radical, aceitou a demissão.

O partido conservador CDS-PP exigia a saída da ministra desde segunda-feira (16), quando o balanço de vítimas dos incêndios no país começou a aumentar.

Mas o primeiro-ministro resistiu em um primeiro momento e chegou a afirmar que era "uma atitude um pouco infantil acreditar que as consequências políticas passam pela demissão dos ministros".

Grandes incêndios florestais deixaram 41 mortos e 71 feridos no domingo e na segunda-feira, segundo a Proteção Civil. Em junho, 64 pessoas faleceram em um incêndio perto de Pedrógão Grande, no centro do país. Esta temporada de incêndios é a mais letal da história de Portugal.

Na terça-feira à noite, centenas de pessoas protestaram em Lisboa contra o governo, aos gritos de "vergonha" e "renúncia". A manifestação foi convocada por um grupo de cidadãos no Facebook.

"Cem pessoas morreram e ninguém assume a responsabilidade. Precisamos de respostas", afirmou um manifestante.

O primeiro-ministro se comprometeu na segunda-feira a realizar "reformas profundas" na administração das florestas e para prevenir incêndios.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.