Acessar o conteúdo principal
Viaduto/Gênova

Viaduto que desabou em Gênova deixa pelo menos 22 mortos e 13 feridos

Vista parcial de um tercho da Ponte Morandi que caiu fazendo muitas vítimas em Gênova.
Vista parcial de um tercho da Ponte Morandi que caiu fazendo muitas vítimas em Gênova. TV/REUTERS

Um trecho de um viaduto na rodovia A10 desabou nesta terça-feira (14) na cidade italiana de Gênova, deixando "dezenas de vítimas", com pelo menos 22 mortos, informou o governo. As autoridades temem que esse número possa aumentar.

Publicidade

O acidente acontece na véspera do feriado de Ferragosto, um dos mais importantes do calendário italiano, que marca a Assunção de Maria e o início das férias de verão.

“O clima não vai ser de festa”, declarou à RFI Brasil o italiano Luca Quartesani, proprietário da churrascaria Rio Samba, em Gênova. “Choveu muito nos últimos dias. A cidade está preocupada, pois o outro lado do viaduto também pode cair. É uma rodovia com muito movimento, que leva ao aeroporto, à praia, a Mônaco, à França. Toda a área em volta do viaduto está interditada e equipes de resgate e ambulâncias estão na região para tentar salvar sobreviventes”, acrescenta.

Cidade em choque

Farah Serra, blogueira brasileira e redatora de portais na Internet, mora em Gênova. Ela também deu seu depoimento à RFI Brasil:

"A cidade está em choque. As pessoas ainda estão tentando entender a dimensão do que aconteceu. A preocupação é grande para saber das vítimas. Aqui é véspera de Ferragosto, o maior feriado da Itália. A estrada estava cheia e o que vejo no meu Facebook são as pessoas comentando se estão bem, ao mesmo tempo em que pedem para os amigos darem notícias. Moro longe da região, não sei bem o caos que está por lá, além do que vemos pelo jornal. Mas essa sensação de apreensão e incompreensão ronda toda a cidade."

O cônsul-geral do Brasil em Milão, Paulo Cordeiro, informou que por enquanto não há informações sobre brasileiros entre as vítimas. A diplomacia brasileira está de sobreaviso.

Autoridades informam pelas redes

As autoridades italianas também estão usando as redes sociais para informar a população. "Acompanhamos a situação minuto a minuto. Agradeço aos 200 bombeiros que estão no trabalho para salvar vidas", declarou o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini.

No Twitter, o ministro italiano dos Transportes, Danilo Toninelli, declarou que o desabamento é "uma imensa tragédia". "Tenho uma grande apreensão de que o que aconteceu em Gênova se apresenta como uma imensa tragédia", tuitou Toninelli.

O diretor da Central de Emergências de Gênova, Francesco Bermano, disse à imprensa local que há "dezenas de vítimas". Segundo ele, várias pessoas estão sob os escombros da ponte Morandi, de cerca de 100 m de altura, após a queda de vários veículos no vazio.

"Uma cena apocalíptica", contou uma testemunha à emissora Isoradio, especializada no tráfego em rodovias.

A Direção Nacional dos Bombeiros de Gênova informou que a infraestrutura desabou, em grande parte, sobre vias férreas cruzadas pelo viaduto.

Todos os hospitais da região foram mobilizados para receber os feridos. O desabamento do viaduto também afetou a parte da fábrica Ansaldo Energia de Gênova, uma das unidades de produção de energia elétrica da Itália.

A entrada da fábrica fica debaixo do viaduto, mas aparentemente apenas o estacionamento foi atingido. À exceção da equipe de manutenção, o estabelecimento estava vazio, às vésperas do feriado de 15 de agosto.

"Os bombeiros participam, assim como as equipes de resgate com cães farejadores", anunciou o Corpo de Bombeiros no Twitter. Pelo relevo da região de Gênova, que fica entre o mar e a montanha, a rodovia possui longos túneis e viadutos.

Ponte inaugurada em 1967

De acordo com o site ingegneri.info, essa ponte de 1.182 m de extensão foi inaugurada em 1967 e restaurada em 2016. Foi construída entre 1963 e 1967, com uma estrutura mista, de concreto armado pré-fabricado e concreto armado comum.

A Polícia não descarta que se trate de uma falha estrutural da ponte.

Ajuda francesa

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse pelo Twitter que a França está "ao lado da Itália neste momento trágico e pronta para oferecer toda a ajuda necessária".

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.