Acessar o conteúdo principal
Espanha/Reino Unido/Brexit

Gibraltar é a nova pedra no caminho do Brexit

Mulheres conversam diante do rochedo de Gibraltar, território britânico reinvidicado pela Espanha há séculos.
Mulheres conversam diante do rochedo de Gibraltar, território britânico reinvidicado pela Espanha há séculos. REUTERS/Jon Nazca

Na mesma semana em que a Comissão Europeia e o Reino Unido chegaram a um acordo para um projeto de declaração sobre suas relações após o Brexit, os negociadores encontram novos pontos de divergência: a questão Gibraltar. Madri ameaça vetar o texto no próximo domingo (25) se o documento não tiver nenhum artigo explícito sobre as futuras relações entra a Espanha e o rochedo. Ambos os lados têm interesses econômicos no território.

Publicidade

Há 300 anos a Espanha reivindica Gibraltar, pequeno pedaço do Reino Unido colado em suas terras, no extremo sul da península ibérica. Em caso de saída dos britânicos da União Europeia, o território passaria a marcar uma nova fronteira com o bloco, além de afastar ainda mais as esperanças de possível anexação espanhola.

Madri quer que conste claramente no texto negociado entre Londres e a Comissão o princípio, aceito por seus parceiros em abril de 2017, que, após o Brexit, nenhum acordo entre a UE e o Reino Unido pode ser aplicado ao território de Gibraltar sem a aprovação das autoridades espanholas. "Se isso não for resolvido até domingo, a Espanha infelizmente (...) terá que votar não [ao acordo Brexit] e exercer sua capacidade de veto", declarou o presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez.

No que diz respeito à pesca, por exemplo, os europeus querem garantir o acesso da sua frota pesqueira às águas britânicas após o fim do período de transição. Essa questão representou um catalisador para o voto a favor do Brexit durante o referendo de junho de 2016.

Paraíso fiscal e zona de contrabando de cigarros

Atualmente, Gibraltar beneficia de um status especial, que o exclui da União aduaneira europeia e faz do rochedo um paraíso fiscal para os jogos online. O território também acolhe cerca de 30 empresas e vários escritórios de serviços bancários de jurídicos, muitas vezes opacos. O rochedo também é um conhecido ponto de passagem para o contrabando de cigarros que, segundo os espanhois, não é vigiada pelas autoridades locais.

Madri, que sempre pediu mais transparência sobre as transações efetuadas em Gibraltar, já avisou que não pretende aproveitar do contexto do Brexit para resolver esse impasse. No entanto, o governo espanhol considera que as negociações para a saída do Reino Unido da União Europeia é uma ótima ocasião para discutir algumas particularidades que constituem as bases da prosperidade do território.

“A questão de Gibraltar envenena as relações entre o Reino Unido e a Espanha há muito tempo, com alguns episódios bastante tensos. As fronteiras entre os dois territórios chegaram a ficar bloqueadas durante anos sob o regime de Franco”, lembra Hubert Peres, cientista político e professor na Universidade de Montpellier, na França. No entanto, pondera o especialista, “ninguém quer que a situação fique totalmente emperrada, pois os ambos os lados compartilham interesses econômicos”.

Madri quer manter relações pacíficas com Gibraltar. Porém, a prosperidade do território também depende da possibilidade de livre circulação com a Espanha. Se o território goza de um crescimento econômico de 10% ao ano e registra uma taxa de desemprego de pouco mais de 1%, cerca de 40% da mão de obra local vem da Espanha.

“Visto de fora, pode parecer algo pequeno, pois Gibraltar são apenas 7km². Mas sua importância, tanto simbólica quanto econômica, principalmente para o sul da Espanha, é muito maior do que a superfície do território pode levar a crer”, pontua Peres.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.