Acessar o conteúdo principal
França/ Alemanha/ UE

Assembleia franco-alemã é criada para fortalecer União Europeia

Os presidentes da Assembleia Nacional francesa, Richard Ferrand (LREM, partido do presidente Emmanuel Macron), e do Bundestag, Wolfgang Schäuble (CDU, partido da chanceler Angela Merkel), assinaram o acordo parlamentar para a criação da nova Assembleia.
Os presidentes da Assembleia Nacional francesa, Richard Ferrand (LREM, partido do presidente Emmanuel Macron), e do Bundestag, Wolfgang Schäuble (CDU, partido da chanceler Angela Merkel), assinaram o acordo parlamentar para a criação da nova Assembleia. REUTERS/Benoit Tessier

As câmaras de deputados dos Parlamentos da França e da Alemanha selaram nesta segunda-feira (25), em Paris, a criação de uma Assembleia franco-alemã. A instituição deverá permitir "dar uma nova dimensão à cooperação" entre esses dois países, em um contexto tenso, entre o Brexit e as eleições europeias.

Publicidade

Exatos 62 anos após a assinatura do Tratado de Roma, que lançou as bases para a União Europeia por meio da criação da Comunidade Econômica Europeia, os presidentes da Assembleia Nacional francesa, Richard Ferrand (LREM, partido do presidente Emmanuel Macron) e do Bundestag, Wolfgang Schäuble (CDU, partido da chanceler Angela Merkel), assinaram o acordo parlamentar, já aprovado por ambas as câmaras.

A nova instituição, que reúne 100 deputados, 50 de cada um dos países, deverá, em princípio, sentar-se pelo menos duas vezes por ano, alternadamente na França e no outro lado do Reno.

Sem poder decisório

A nova assembleia, que não tem correspondente conhecida na Europa nem no mundo, não terá poder decisório. Suas missões: assegurar a aplicação das decisões comuns dos executivos, acompanhar os assuntos internacionais de interesse comum e trabalhar para melhorar a vida das populações transfronteiriças.

"Esta iniciativa sublinha nosso desejo de colocar a cooperação bilateral em um contexto europeu", disse Wolfgang Schäuble. Ele espera, como Richard Ferrand, consolidar o projeto europeu, enfraquecido pela ascensão dos eurocéticos, na corrida para as eleições europeias em 26 de maio.

"Podemos discordar sobre questões de fundo, porque precisaremos discutir com franqueza, mas os debates contribuirão para fortalecer nossa amizade", disse Schäuble, ex-ministro da Fazenda conhecido por seu rigor.

Este "projeto louco", segundo um dos deputados, Christophe Arend (LREM), “é o culminar de uma longa jornada”. Schäuble e Ferrand haviam convocado em janeiro de 2018 a conclusão de um novo tratado de cooperação franco-alemã, no 55º aniversário do Tratado do Eliseu, concluído em 1963 entre Paris e Berlim.

Em 22 de janeiro deste ano, Emmanuel Macron e Angela Merkel assinaram o Tratado de Aix-la-Chapelle, já visando fortalecer as relações bilaterais.

(Com informações da AFP)

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.