Acessar o conteúdo principal
Grécia/Clima

Governo decreta estado de emergência após tornados que mataram 6 turistas na Grécia

Chuva de granizo e tornados matam seis turistas e um pescador na Grécia.
Chuva de granizo e tornados matam seis turistas e um pescador na Grécia. A man carries a broken sunbed following heavy storms in the vill

Ao menos seis turistas estrangeiros que estavam de férias na região de Calcídica, no norte da Grécia, e um pescador grego morreram devido às fortes tempestades de granizo e tornados, ocorridos na noite dessa quarta-feira (10). O fenômeno excepcional também deixou 30 feridos. Nesta quinta-feira (11), o governo decretou “estado de emergência” na região.

Publicidade

Após a passagem das tempestades e tornados, o cenário é de desolação nesta região turística do norte do país. Nas ruas era possível observar carros virados, árvores derrubadas, grande quantidade de lama e uma taberna destruída.

O secretário da Defesa Civil no norte da Grécia, Charalambos Steriadis, explicou que o fenômeno, com ventos muito fortes e tempestades violentas de granizo, “foi inédito " em Calcídica. O tornado durou cerca de 20 minutos, segundo testemunhas entrevistadas pela televisão estatal ERT.

Vítimas

Um casal tcheco faleceu na localidade de Propontida. Segundo a polícia, o motorhome em que eles viajavam foi arrastado pelos fortes ventos. O filho e o neto deles ficaram feridos.

Em Kassandra, a 70 km de Tessalônica, segunda maior cidade da Grécia, um homem russo e o filho de dois anos perderam a vida na queda de uma árvore em um hotel.

Em uma taberna, um pequeno restaurante tradicional frequentado por dezenas de pessoas, o teto foi arrancado pelas rajadas de vento, matando uma turista romena e seu filho.

De acordo com a polícia portuária, o corpo de um pescador de 60 anos, que estava desaparecido, foi encontrado nesta quinta-feira.

Vinte e três feridos continuam hospitalizados, entre eles cinco crianças. Uma idosa de 72 anos, internada em Tessalônica, continua em estado grave.

Novo governo mobilizado

"Quero expressar minha dor em nome de todos, choramos a perda destas almas", afirmou o ministro de Proteção dos Cidadãos, Michalis Chrisochoidis, que viajou de Atenas até a região da tragédia. Outras autoridades do novo governo grego devem visitar a área.

O primeiro-ministro, Kyriakos Mitsotakis, eleito nas legislativas de domingo (7), cancelou a agenda nesta quinta-feira para coordenar a resposta à catástrofe.

Ao menos 140 bombeiros participam nas operações de resgate. Toda a região ficou sem energia elétrica e os militares trabalham para restabelecer o sistema. A tempestade aconteceu na região norte do país no momento em que grande parte da Grécia sofre com temperaturas de até 37°C.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.