Acessar o conteúdo principal
Migrantes/ Igreja

Igreja Católica receberá mais da metade dos 131 migrantes líbios presos em navio italiano

Desembarque de migrantes resgatados do navio de guarda costeira italiano Gregoretti em Augusta, Itália, 31 de julho de 2019.
Desembarque de migrantes resgatados do navio de guarda costeira italiano Gregoretti em Augusta, Itália, 31 de julho de 2019. REUTERS/Antonio Parrinello

Vários países europeus e a Igreja chegaram nesta quarta-feira (31) a um acordo para o desembarque e a distribuição dos 131 migrantes que se encontram a bordo do navio italiano "Gregoretti", aos quais Roma havia negado o desembarque.

Publicidade

França, Alemanha, Portugal, Luxemburgo e Irlanda, bem como a Igreja Católica italiana, receberão esses migrantes bloqueados por dias em um navio da guarda costeira italiana, o Gregoretti, em um porto no sul do país, disse o porta-voz da Comissão Europeia.

A Comissão não especificou a distribuição final dos migrantes, mas mais da metade deve permanecer na Itália a cargo da Igreja.

Com este anúncio, se concretiza o acordo divulgado na semana passada para implementar um "mecanismo de solidariedade" entre 14 países da União Europeia (UE), e que passa pelo desembarque inicial de migrantes na Itália e sua posterior distribuição entre os Estados que assinaram disse compromisso.

O ministro do Interior italiano Matteo Salvini, de extrema direita, já havia permitido na segunda-feira o desembarque dos menores a bordo do navio, mas condicionou a saída do resto das pessoas a um acordo de redistribuição entre os países da UE.

A Guarda Costeira italiana ajudou os 140 migrantes provenientes da Líbia na última quinta-feira (25), o mesmo dia em que outros 110 perderam suas vidas ou desapareceram em um naufrágio na costa líbia.

Após o resgate, eles foram transferidos para o "Gregoretti", um navio da marinha italiana.

(AFP)

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.