Acessar o conteúdo principal
Rússia/ Ucrânia

Rússia devolve navios ucranianos antes de cúpula crucial

Navios navais ucranianos apreendidos são rebocados por navios da Guarda Costeira russa para fora do porto de Kerch, perto da ponte que liga o continente russo à Península da Crimeia, Crimeia, 17 de novembro de 2019.
Navios navais ucranianos apreendidos são rebocados por navios da Guarda Costeira russa para fora do porto de Kerch, perto da ponte que liga o continente russo à Península da Crimeia, Crimeia, 17 de novembro de 2019. REUTERS/Alla Dmitrieva

A Rússia entregou nesta segunda-feira (18) três navios da marinha que apreendeu há um ano da Ucrânia, disseram autoridades de Moscou e Kiev, na última tentativa de aliviar as tensões entre os dois países, dias de uma cúpula crucial, mediada por Paris e Berlim.

Publicidade

Após uma troca de prisioneiros em setembro e a retirada de algumas forças da linha de frente nas últimas semanas, a entrega marcou mais um passo na tentativa de resolver o conflito de cinco anos no leste da Ucrânia.

O conflito no leste industrial da Ucrânia estourou após a anexação pela Rússia da península ucraniana da Crimeia, em 2014, que levou o Ocidente a impor sanções abrangentes a Moscou.

Esforços estão sendo construídos desde a eleição de Volodymyr Zelensky como novo presidente da Ucrânia, e na sexta-feira (15) a França anunciou que manteria suas primeiras conversas cara a cara com o presidente russo Vladimir Putin em Paris, no dia 9 de dezembro.

Macron e Merkel como mediadores

A cúpula, que será mediada pelo presidente francês Emmanuel Macron e pela chanceler alemã Angela Merkel, serão as negociações de mais alto nível sobre o conflito desde 2016.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse nesta segunda-feira que os navios - duas canhoneiras e um rebocador - foram entregues à Ucrânia. A agência afirmou que eles "cruzaram ilegalmente a fronteira russa" e foram mantidos como evidência, mas não eram mais necessários.

A Ucrânia confirmou a entrega dos navios "Nikopol", "Berdyansk" e "Yany Kapu".  A Marinha da Ucrânia disse que os navios "começaram a se mover em direção à Ucrânia continental".

Os navios ucranianos foram apreendidos em novembro do ano passado no confronto mais sério entre os dois países desde o início do conflito em 2014.

As forças russas assumiram o controle dos navios enquanto atravessavam o estreito de Kerch, uma via navegável estreita que dava acesso ao mar de Azov, usado pela Ucrânia e pela Rússia.

Eles capturaram 24 marinheiros ucranianos, que foram devolvidos à Ucrânia como parte da troca de prisioneiros em setembro.

A televisão no domingo mostrou imagens dos navios sendo rebocados pela guarda costeira russa através do Estreito de Kerch.

A eleição de Zelensky, um comediante de televisão que chocou as elites do país ao conquistar a presidência em abril, aumentou as esperanças de que o conflito possa finalmente ser resolvido.

Zelensky disse que o fim da guerra - que deixou mais de 13.000 mortos - é sua principal prioridade.

Primeiras conversas em anos

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, confirmou que as negociações vão continuar em 9 de dezembro, mas parece minimizar a esperança de um grande avanço.  "Houve um longo atraso, uma longa interrupção no trabalho no formato da Normandia e, portanto, não devemos definir expectativas muito altas", afirmou.

A estrutura para as negociações é conhecida como "formato da Normandia" após um primeiro encontro que reuniu os quatro chefes de estado na região da Normandia na França em 2014. A última reunião desse tipo ocorreu em Berlim em 2016.

O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, deveria chegar a Kiev nesta segunda-feira para ajudar a preparar a cúpula.

Em Berlim, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores disse que, pela primeira vez em muito tempo, houve "algum movimento" no conflito. "Queremos aproveitar esse momento", disse ele.

A cúpula de quatro vias foi anunciada inicialmente por Macron para setembro, após conversas com Putin na França, mas foi realizada até a retirada das tropas.   O objetivo é implementar os "acordos de Minsk", acordos alcançados em 2014 e 2015 para encerrar o conflito, mas que ainda precisam ser implementados adequadamente.

Crimeia

Após a anexação da Crimeia pela Rússia, os separatistas declararam estatutos não reconhecidos nas regiões orientais ucranianas de Donetsk e Lugansk, principalmente de língua russa.

A Ucrânia e seus aliados ocidentais acusam Moscou de dar apoio financeiro e militar aos separatistas, o que a Rússia nega.

A troca de setembro foi o primeiro grande passo em anos para reduzir as tensões, com os dois países trocando 70 prisioneiros.

Seguiu-se nas últimas semanas a retirada de tropas ucranianas e forças separatistas de várias áreas do ponto de inflamação ao longo da linha de frente.

Espera-se que as negociações de Paris se concentrem em um roteiro que daria status especial aos territórios separatistas se eles realizassem eleições livres e justas sob a constituição ucraniana.

O conflito tem sido um grande dreno na economia da Ucrânia, mas Zelensky está enfrentando oposição ao seu plano de paz, especialmente de veteranos de guerra e nacionalistas.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.