Acessar o conteúdo principal
Brasil-Mundo

Do samba ao maracatu: tradições brasileiras dominam carnaval de Lisboa

Áudio 04:00
Em Portugal, há festas de Carnaval de norte a sul do país. Os foliões saem às ruas sem olhar às temperaturas do finalzinho do inverno.
Em Portugal, há festas de Carnaval de norte a sul do país. Os foliões saem às ruas sem olhar às temperaturas do finalzinho do inverno. Divulgação

Em Portugal, há festas de carnaval de norte a sul do país. Os foliões saem às ruas sem se importar com as temperaturas do final do inverno.

Publicidade

Correspondente da RFI em Lisboa

O carnaval português é rico em tradições. Dependendo da cidade em que o folião estiver, é possível participar de grandes festas e bailes de máscaras. É a época de ver "caretos" - personagens mascarados - e de cruzar com as "matrafonas", como são chamados os homens que se vestem de mulher.

Também há os "cabeçudos", que são figuras com cabeça desproporcional em relaçãoo ao corpo. Sem falar nos "gigantones", que nos fazem lembrar dos bonecos gigantes de Olinda. Em terras lusas, o carnaval também abre alas para as tradições brasileiras – blocos de rua, maracatus e escolas de samba.

Só a Vila de Sesimbra, distante 38 quilômetros de Lisboa, tem seis escolas. O Grupo Recreativo Escola de Samba Bota é a mais antiga da Vila. Em março, completa 44 anos.

“Surgiu como quase todas as escolas de samba aqui em Sesimbra”, diz o músico português Ricardo Alves “Chora”, mestre da bateria. Segundo ele, tudo começou com um grupo de mascarados. Na terça-feira de Carnaval, eles desfilavam na avenida, a pedido dos moradores. 

Chora é mestre da bateria do Bota há 21 anos. Desde pequeno se acostumou a ouvir marchinhas de Carnaval e sambas antigos. Quando o pai e a mãe do músico faziam viagens ao Brasil, traziam discos, CDs, instrumentos.

"Comecei a pegar o gosto”, conta. “Sou sambista. Seja eu português, brasileiro, francês. Sambista é uma família só. Não tem nacionalidade, graças ao Brasil”, observa.

Para gravar o samba-enredo “Agora brincamos nós”, composto por Leandro Figueiredo e Mestre Chora, Bota convidou Zé Paulo Sierra, intérprete oficial da escola de samba brasileira Unidos do Viradouro. Mas neste domingo (23), são os intérpretes da escola sesimbrense que vão puxar o samba e levar cerca de 160 componentes para a avenida. Quase todos são portugueses, há pouquíssimos brasileiros - não chegam a cinco.

Grupo Baque Mulher de Lisboa

Na capital portuguesa, a presença do Brasil no carnaval é marcada pelos blocos de rua e pelo maracatu. Neste domingo, o som do grupo de maracatu Baque Mulher de Lisboa vai tomar conta das ruas. É formado por quinze brasileiras, duas espanholas e duas italianas. Elas tocam instrumentos de percussão, cantam e dançam durante o trajeto.

“É um movimento de empoderamento, de visibilidade feminina. É um movimento político na luta dos direitos das mulheres, na luta da diversidade”, explica Helô Lisboa. A cabeleireira goiana está há nove anos em Portugal, e além de tocar tambor, é uma das regentes do grupo de maracatu.

O Baque Mulher é um movimento que surgiu em 2008, no Recife, onde tem sua sede. Foi idealizado por Joana Cavalcante, primeira mulher nomeada mestra de uma Nação de Maracatu, que é a Nação Encanto do Pina. O movimento tem 30 grupos espalhados por diversas cidades brasileiras. O de Lisboa é o único na Europa e vai completar um ano em abril.

A mineira Alice Amâncio também faz parte do Baque Mulher lisboeta. Está em Portugal desde 2015, quando veio para um mestrado. Ela diz que é difícil definir o sentimento que surge quando o maracatu toma as ruas de Lisboa.

“É muito forte. É até difícil de te explicar em palavras. É muito abstrato, mas é muito gostoso, uma coisa muito boa de se sentir mesmo”, resume.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.