Acessar o conteúdo principal
Itália/Covid-19

Itália busca paciente zero na origem do surto de coronavírus

Turistas usam máscaras na praça São Marcos, em Veneza, onde o Carnaval foi cancelado na noite de domingo devido ao surto do coronavírus. 23/02/2020.
Turistas usam máscaras na praça São Marcos, em Veneza, onde o Carnaval foi cancelado na noite de domingo devido ao surto do coronavírus. 23/02/2020. REUTERS/Manuel Silvestri

As autoridades italianas buscam desesperadamente identificar o paciente zero que contaminou Mattia, 38 anos, o morador da cidade de Codogno (Lombardia) que contraiu o Covid-19 e transmitiu a doença a várias pessoas próximas, dando início ao surto de coronavírus no país. A pneumonia já matou pelo menos sete pessoas no país, a maioria idosos ou pacientes com o estado de saúde já fragilizado por outras patologias.

Publicidade

Em 48 horas, a Itália se tornou o país com o maior foco de coronavírus na Europa. Pelo menos 219 pessoas contraíram a doença, sendo 167 apenas na região da Lombardia (norte), segundo o diretor da Proteção Civil italiana, Angelo Borrelli. Todas os mortos eram idosos.

Havia a suspeita de que o italiano Mattia, colaborador da multinacional Unilever de Casalpusterlengo, vizinha de Codogno, tinha contraído o Covid-19 de um amigo que esteve na China em janeiro. Mas, segundo o vice-ministro da Saúde, Pierpaolo Sileri, os testes de laboratório realizados nesse homem demonstraram que ele não desenvolveu anticorpos contra o coronavírus.

Mattia contaminou um amigo com quem ele jogava futebol, três clientes de um bar que ele frequenta, médicos e outros pacientes do hospital de Codogno, onde esteve hospitalizado até sábado (22), antes de ser transferido para um estabelecimento em Pávia. Atualmente, ele se encontra na UTI recebendo tratamento intensivo. A mulher de Mattia, Valentina, grávida de oito meses, contraiu a infecção do marido e está hospitalizada em Milão. O casal é membro ativo de um grupo de maratonistas de Codogno.

Após a primeira morte ocorrida na sexta-feira (21) na região de Veneza, perdura o mistério em relação ao paciente zero do surto na Itália. Para alguns cientistas, identificar este paciente ajuda a traçar o percurso da epidemia.

As autoridades italianas tomaram medidas de confinamento que já atingem 11 cidades do norte do país, mas o Covid-19 se propaga rapidamente. Por medida de precaução, o Carnaval de Veneza foi suspenso.

Queda das bolsas de valores

Diariamente, a epidemia de coronavírus se alastra para outros países. Em sinal de nervosismo diante de uma eventual pandemia, as bolsas de valores europeias abriram em forte queda nesta segunda-feira, com perdas de no mínimo 2,55% (Paris). A bolsa de MiIão, na Itália, é uma das mais afetadas e perdia mais de 4%, por volta de 12h pelo horário local (8h em Brasília). O índice EuroStoxx 50, da zona do euro, também registrava forte prejuízo de 3,6%. A cotação do petróleo também recuava cerca de 4% no período da manhã.

A Coreia do Sul passou a ser o segundo maior foco de portadores do Covid-19, depois da China. Nas últimas 24 horas, 164 novos casos foram registrados no país, elevando para mais de 800 o número de infectados. Pelo menos sete pessoas morreram. O campeonato nacional de futebol sul-coreano, que deveria ter começado no fim de semana, foi adiado.

Os casos de contaminação se multiplicam também no Irã, país que já registra 12 mortes causadas pela pneumonia. Em consequência, Turquia, Jordânia, Paquistão e Afeganistão fecharam as fronteiras ou restringiram as viagens com destino ou origem no Irã. Afeganistão, Barein, Kuait e Iraque registraram nesta segunda-feira um primeiro caso de contágio cada um.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.