Acessar o conteúdo principal

Príncipe Charles está contaminado com o novo coronavírus

O príncipe Charles, de 71 anos, está contaminado pela Covid-19, mas passa bem, segundo seus assessores.
O príncipe Charles, de 71 anos, está contaminado pela Covid-19, mas passa bem, segundo seus assessores. POOL/AFP

A coroa britânica anunciou nesta quarta-feira (25) que o príncipe Charles está contaminado com o novo coronavírus. O monarca de 71 anos apresentou alguns sintomas da Covid-19, "mas passa bem", afirmou um porta-voz da monarquia do Reino Unido.

Publicidade

A esposa de Charles, Camilla, duquesa de Cornwall, de 72 anos, também realizou um teste, mas não foi infectada. Ambos estão isolados no Castelo de Balmoral, na Escócia.

Em comunicado, o Palácio de Buckingham afirmou que a última vez que o príncipe se encontrou com a rainha Elizabeth II foi em 12 de março, mas ela está "em bom estado de saúde". O documento reitera que a monarca "está seguindo todas as recomendações no que diz respeito a seu bem-estar".

Até o momento, não foi possível estabelecer quem o contaminou, diante "do grande número de compromissos que ele realizou, como representante público, nas últimas semanas". Segundo o comunicado, Charles realizou o teste do coronavírus no Hospital de Aberdeenshire, na Escócia, instituição renomada em critério de exames virais.

Imunização do rebanho”

O Reino Unido foi um dos últimos países da Europa ocidental a anunciar o confinamento obrigatório. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, defendia, até segunda-feira (23), uma estratégia conhecida como "imunização do rebanho". Nesta teoria, entre 60% e 80% da população contrairia o coronavírus e apresentaria sintomas leves, o que desenvolveria uma certa imunidade coletiva, tornando os cidadãos mais resistentes à doença para reduzir o número de infecções no futuro.

Assim, bares e lojas permaneceram abertos, com a ideia de que a população deveria continuar a viver normalmente. As medidas tomadas diziam respeito principalmente aos cidadãos com mais de 70 anos ou com problemas de saúde crônicos.

No entanto, Johnson resolveu voltar atrás e fez um apelo para que os cidadãos britânicos permeneçam em suas casas. Segundo ele, se houver um aumento repentino no número de contaminados, os hopitais podem ficar superlotados, gerando um colapso no sistema de saúde do Reino Unido.

Assim, desde segunda-feira, os britânicos podem sair de suas casas somente com autorização, para fazer compras essenciais, se exercitar uma vez por dia, ir ao médico ou ao trabalho, quando o home office não for possível.

Na terça-feira (24), o país registrou o recorde de mortes desde o início da epidemia do coronavírus. Em 24 horas, 87 pessoas morreram. O número de vítimas fatais chegou a 424 no Reino Unido.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.