Acessar o conteúdo principal
Reforma da Previdência

Governo francês insiste na idade mínima de 64 anos e promete propostas concretas

Cerca de 452.000 pessoas saíram às ruas em toda a França nesta quinta-feira (9) contra a reforma da previdência.
Cerca de 452.000 pessoas saíram às ruas em toda a França nesta quinta-feira (9) contra a reforma da previdência. REUTERS/Charles Platiau

Confrontado por cinco semanas de greve, o governo francês prometeu fazer neste sábado (11) propostas concretas aos sindicatos para tentar encontrar um acordo no financiamento do sistema previdenciário, à medida que um novo dia de mobilização se aproxima. Nesta sexta-feira (10), o governo revelou mais detalhes de seu plano de reforma, que inclui o estabelecimento muito criticado de uma idade mínima de 64 anos para a aposentadoria.

Publicidade

O primeiro-ministro Édouard Philippe recebeu nesta sexta-feira organizações sindicais e patronais para discutir o equilíbrio do sistema. Essa foi a resposta do executivo à ideia de uma "conferência de financiamento" sugerida pela CFDT, primeira central sindical da França, favorável ao princípio de um esquema de pontos "universal" desejado pelo governo, que visa fundir os 42 regimes atualmente existentes.

No entanto, a CFDT é contrária à idade mínima que o governo deseja fixar em 64 anos, com uma penalidade de bônus, a fim de incentivar os franceses a trabalharem além da idade legal para a aposentadoria, hoje estabelecida em 62 anos.

Esta idade mínima, rejeitada por unanimidade pelos sindicatos, é mencionada pelo menos 39 vezes no projeto de lei, enviado quinta-feira (9) à noite aos parceiros sociais, e que será apresentado ao Conselho de Ministros em 24 de janeiro. "Não sei se teremos que dizer 39 vezes, mas isso terá que ser retirado", disse Matignon Laurent Escure, da união sindical Unsa.

Economia de € 3 bilhões

Os dois projetos de lei - um orgânico e outro comum - foram enviados na noite de quinta-feira aos fundos da previdência social, em que estaria enfaticamente registrada uma regra "obrigando" a garantir o equilíbrio financeiro do futuro sistema de pensões "universal" por pontos e a "idade mínima", o que permitiria uma economia de € 3 bilhões em 2022 e € 12 bilhões em 2027.

Essa idade mínima será estabelecida a partir de 2022, a menos que aconteça uma "deliberação" diferente, antes de setembro de 2021, entre os parceiros sociais presentes no futuro fundo nacional de pensão universal, que será criado em 1° de dezembro de 2020.

As medidas contidas nos dois textos provavelmente não convencerão os sindicatos, que exigem a retirada da reforma, principalmente a CGT e a FO, que reiteraram sua total oposição ao projeto nesta sexta-feira.

Essas organizações conseguiram reunir 452.000 manifestantes em toda a França nesta quinta-feira, de acordo com o Ministério do Interior, incluindo 56.000 em Paris. Uma mobilização superior à de 10 de dezembro, mas abaixo da de 17 de dezembro e, especialmente, daquela de 5 de dezembro, primeiro dia de movimento.

Na expectativa de "manifestações massivas" neste sábado, o intersindical convocou, na noite de quinta-feira, a continuação do movimento na terça-feira (14), com um "dia de greve e convergência interprofissional" e quarta (15) e quinta-feira (16), com "iniciativas de todas as formas".

Banco da França reduz impressão de notas

Diversas setores profissionais permaneceram mobilizadas nesta sexta-feira. Em Paris, centenas de advogados se manifestaram no Palácio da Justiça, vestindo togas e exigindo a renúncia da ministra da Justiça, Nicole Belloubet.

Em dois centros fiduciários do Banco da França, na região de Paris e no norte do país, que processam mais de um quarto das notas na França, a CGT exibiu nesta sexta-feira um aviso de greve de "bloqueio renovável" a partir de segunda-feira.

O tráfego ferroviário foi novamente interrompido, com quase um em cada dois motoristas em greve no 37º dia de mobilização, a exemplo do serviço de metrô de Paris, em que a maioria das linhas estava operando parcialmente ou aberta apenas nos horários de pico.

No setor de refinarias, a chamada para interromper os embarques de combustível foi prorrogada até 16 de janeiro, de acordo com a central sindical CGT. Apenas uma refinaria, a de Petroinéos, em Lavéra, no sudeste do país, começou a reduzir a produção.

Entre os eletricistas da EDF, a greve é ​​renovada a cada 24 horas, com cortes de energia nos escritórios dos deputados do partido presidencial LREM ou a mudança de clientes para tarifas fora do pico em certas regiões, de acordo com a CGT de energia.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.