Acessar o conteúdo principal
França/Argentina

Argentina vai propor à França aliança para renegociar acordo Mercosul-União Europeia

O presidente argentino Alberto Fernández iniciou na última sexta-feira (31) pela Itália um giro europeu que o levou à Itália, Espanha, Alemanha e será encerrado na França.
O presidente argentino Alberto Fernández iniciou na última sexta-feira (31) pela Itália um giro europeu que o levou à Itália, Espanha, Alemanha e será encerrado na França. REUTERS/Annegret Hilse

O presidente argentino Alberto Fernández quer o apoio de Emmanuel Macron para renegociar acordo comercial entre os dois blocos, assumindo uma posição que o afasta ainda mais do governo de Jair Bolsonaro.

Publicidade

Correspondente da RFI em Buenos Aires

Na extensa reunião que Alberto Fernández, terá com o presidente francês, Emmanuel Macron, nesta quarta-feira (5) no Palácio do Eliseu, em Paris, a Argentina vai propor à França a renegociação do acordo comercial Mercosul-União Europeia. Embora a prioridade do governo argentino nas quatro horas de reunião seja conseguir o apoio político do governo francês para outra renegociação, a da dívida do país junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI), Alberto Fernández vai sondar a possibilidade de ter a França como aliada na sua intenção de rever aspectos do acordo comercial.

Alberto Fernández pretende argumentar que devem ser evitadas as assimetrias que prejudicariam a indústria argentina. "É preciso ver como o acordo será implementado para evitar assimetrias", disse Alberto Fernández na sexta-feira (31) depois da reunião com o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte.

A posição argentina foi explicada aos governos de Itália, Alemanha e Espanha, países que Alberto Fernández visitou desde sexta-feira, quando iniciou o périplo internacional que termina na França. Em nenhum desses países, a posição do presidente argentino encontrou eco. Todos querem que o livre comércio entre os dois blocos avance.

Alemanha defende acordo UE-Mercosul

"Nesta viagem à Europa, a Argentina está procurando um aliado europeu crítico ao pacto. Alberto Fernández pensa em usar a reunião com o presidente francês Emmanuel Macron para colocar sobre a mesa o acordo Mercosul-UE, mas não sei se os dois governos tornarão público esse ponto da reunião", indica à RFI Marcelo Elizondo, diretor da consultoria Desenvolvimento de Negócios Internacionais (DNI) e um dos maiores especialistas em comércio exterior da Argentina.

Para Elizondo, as chances de Alberto Fernández tornar o assunto público diminuíram depois da reunião com a chanceler Angela Merkel, em Berlim, na segunda-feira (3). "Durante a reunião, Angela Merkel foi muito contundente. Disse a Alberto Fernández que o acordo Mercosul-União Euopeia tem de avançar, que a Alemanha tem muito interesse nesse acordo e pediu que a Argentina faça um esforço nessa direção", revela Elizondo, baseado em fontes diplomáticas que participaram da reunião.

"Esse foi o único assunto que Merkel colocou pessoalmente sobre a mesa durante a reunião. Os demais assuntos foram colocados pelos seus ministros. Isso mostra o quanto ela está empenhada na questão", acrescenta.

Aposta na França para quebrar isolamento no Mercosul

É na França que a Argentina deposita as suas esperanças. O governo argentino vê na posição de setores agrícolas franceses e na difícil posição política de Emmanuel Macron uma chance de unir as resistências ao acordo que eliminará, gradualmente, as barreiras tarifárias. O governo peronista de Alberto Fernández entende que a indústria do país não está preparada para essa concorrência. "Pessoalmente, Macron não é contra o acordo, pelo contrário. Mas sofre pressão política dos que são. O presidente francês enfrenta dificuldades com os sindicatos devido às reformas estruturais. Isso o leva a contemplar o lobby protecionista dos setores contrários ao acordo", destaca Marcelo Elizondo.

Atualmente, o acordo, assinado em junho passado depois de 20 anos de negociações, está na fase de revisão legal, prevista para terminar em março. A partir de então, começará a fase seguinte em que precisará ser ratificado pelos Parlamentos de cada país, fase que pode levar cerca de dois anos. Somente depois, entrará em vigência, inaugurando um processo paulatino de abertura comercial que pode durar até 15 anos, dependendo do setor.

Na Europa, os Parlamentos de cada país precisam aprovar o capítulo político enquanto que, para o capítulo comercial - o mais importante - basta a aprovação da Comissão Europeia que já se mostrou contrária a uma revisão.

Nos países do Mercosul - Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai - os Congressos precisarão aprovar todos os capítulos. Mas na reunião de Cúpula de Santa Fé, na Argentina, em julho passado, quando ainda governava o ex-presidente argentino, Mauricio Macri, os países do bloco concordaram que o acordo entraria em vigência individualmente, à medida que cada Congresso o aprovasse.

Os governos já previam o que poderia acontecer na Argentina se Mauricio Macri perdesse as eleições para Alberto Fernández. Assim, o acordo Mercosul-União Europeia poderá entrar em vigência, independentemente da Argentina, que ficaria de fora.

Colisão com o Brasil

A postura de Alberto Fernández o afasta dos demais parceiros do Mercosul, todos a favor do acordo. A Argentina é hoje uma ilha protecionista cercada por governos favoráveis à abertura comercial. Esse rumo, na direção oposta para onde querem ir os vizinhos, anuncia uma colisão frontal com o governo brasileiro porque a União Europeia é apenas um dos mercados para o qual o Mercosul quer-se abrir.

Perante as declarações de Fernández sobre querer rever o acordo, o presidente Jair Bolsonaro avisou que poderá romper com o Mercosul. A postura de Alberto Fernández vai definir o futuro das relações do Brasil com a Argentina. "Esse assunto 'protecionismo x abertura' é definitivo para Bolsonaro. O governo argentino está pondo em risco a relação bilateral da qual tanto depende. O acordo pode entrar em vigência sem a Argentina e acho que é isso o que deve acontecer", conclui Marcelo Elizondo.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.