Acessar o conteúdo principal
Um pulo em Paris

França mantém eleição municipal apesar de pandemia de coronavírus

Áudio 09:43
Equipes preparam zonas eleitorais com marcas no solo para que os eleitores mantenham uma distância de segurança entre si.
Equipes preparam zonas eleitorais com marcas no solo para que os eleitores mantenham uma distância de segurança entre si. RFI/Alexis Bedu

Mais de 47 milhões de eleitores foram convocados às urnas para o primeiro turno da eleição municipal na França neste domingo (15). O pleito será mantido, apesar da decisão do governo de fechar escolas, creches e universidades diante da pandemia de coronavírus. Várias medidas de precaução são previstas para evitar a propagação do vírus na hora do voto.

Publicidade

Após dias de rumores sobre um possível adiamento do primeiro turno da eleição municipal francesa, o governo preferiu manter o pleito. Durante seu discurso em rede nacional na quinta-feira (12), Emmanuel Macron disse que a pandemia não deve interromper o processo democrático no país.

No entanto, várias medidas foram anunciadas para proteger a população durante a eleição. Os eleitores terão que manter uma distância de um metro entre si nas filas de espera e, dentro das zonas eleitorais, as cabines de voto terão uma montagem especial para que não seja necessário encostar nas cortinas na hora de escolher seu candidato.

Como na França o voto é feito em cédulas de papel na maior parte do país, as autoridades também estão prevendo desinfetar as canetas após a passagem de cada eleitor. Além disso, o governo aconselha a população a levar suas próprias canetas e cédulas de voto.

Distribuidores de álcool gel também são previstos nas entradas das 70 mil zonas eleitorais, assim como a possibilidade de se lavar as mãos antes e depois da passagem pela urna.

Os mesários, particularmente expostos, também são aconselhados a usar máscaras.

Pessoas confinadas poderão votar a distância

O coronavírus já atinge cerca de 3 mil pessoas na França, sem contar os casos suspeitos que esperam confirmação. Mas quem estiver confinado poderá votar por meio de uma procuração. No entanto, se normalmente o documento deve ser entregue pelo votante nas prefeituras ou delegacias, agora ele poderá ser retirado diretamente em casa por um agente público em caso de confinamento do eleitor.

O voto na França não é obrigatório e as autoridades temem que, diante da pandemia, o índice de participação despenque. Principalmente por que os idosos são geralmente os mais mobilizados nas eleições no país. Uma pesquisa de opinião divulgada esta semana aponta que mais de um quarto dos eleitores não pretende votar por causa do coronavírus.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.