Acessar o conteúdo principal

Premiê francês diz que o pior da pandemia de coronavírus no país “ainda está por vir”

O primeiro-ministro francês Edouard Philippe disse que "os 15 primeiros dias de abril serão muito mais difíceis que os 15 dias que acabamos de viver”.
O primeiro-ministro francês Edouard Philippe disse que "os 15 primeiros dias de abril serão muito mais difíceis que os 15 dias que acabamos de viver”. Christophe Ena / Pool via REUTERS

A França registrou 319 novas mortes nas últimas 24 horas, elevando o número de vítimas fatais do Covid-19 para 2.314, segundo dados oficiais divulgados neste sábado (28). De acordo com o chefe do governo, Edouard Philippe, apesar das medidas de confinamento impostas no país, em vigor pelo menos até 15 de abril, as próximas duas semanas serão ainda mais difíceis na França.

Publicidade

“O combate apenas começou”, declarou o premiê francês durante uma coletiva de imprensa organizada ao lado do ministro da Saúde, Olivier Véran. “Os 15 primeiros dias de abril serão muito mais difíceis que os 15 dias que acabamos de viver”, insistiu o chefe do governo.

O premiê, que havia anunciado que a luta contra a pandemia será travada respeitando a transparência sobre as decisões tomadas, anunciou junto com o ministro da Saúde que mais de um bilhão de máscaras de proteção foram encomendadas pelo governo, vindas principalmente da China. "Foi criada uma ponte aérea estreita e intensa entre França e China para facilitar a entrada de máscaras em nosso território", declarou Véran, lembrando o país precisa de 40 milhões de unidades do acessório de proteção por semana.

O governo também informou que o número de leitos nos serviços de reanimação vão passar de 5 mil para 14 mil. Além disso, a França espera aumentar sua capacidade aplicação de testes do coronavírus, alcançando 80 mil por dia até o final de abril. “A França está armada e ela não está sozinha”, martelou o premiê.

As declarações são uma resposta às críticas feitas ao governo, acusado de ter sido muito lento no início da pandemia e não ter se inspirados no contexto italiano, onde as contaminações registraram uma aceleração virtiginosa. A França também é contestada por sua política de aplicação de testes na população já que, ao contrário de países como Coreia do Sul ou Alemanha, prefere restringir à prática aos pacientes que estão hospitalizados ou aqueles que já apresentam sintomas avançados da doença.

Coronavírus tem letalidade de 6% na França

Segundo o último balanço, o número de infectados confirmados aumentou para 37.575, dos quais 17.620 estão hospitalizados (+1.888) e 4.273 em terapia intensiva, 486 a mais pessoas em um único dia. Outros 6.624 pacientes puderam voltar para casa nas últimas 24 horas após superar a pneumonia.

O número de mortes anunciadas corresponde apenas àquelas que sucumbiram ao coronavírus nos hospitais; portanto, o número real de mortes por pandemia é desconhecido. A letalidade do vírus foi de 6% na França na semana passada.

Segundo dados publicados neste sábado, as regiões com as pessoas mais hospitalizadas são Paris e seu entorno (Ile de France), com 6.523, delas 1.570 em terapia intensiva; o Grande Leste (3.525, sendo 756 em terapia intensiva) e Auvergne-Ródano-Alpes (1.904, dos quais 432 em terapia intensiva).

(Com informações da AFP)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.