Acessar o conteúdo principal

Covid-19: o drama dos médicos especializados em ‘fim de vida’ na França

A França revelou nesta quinta-feira (02) que pelo menos 884 idosos morreram em casas de repouso, em uma contagem parcial.
A França revelou nesta quinta-feira (02) que pelo menos 884 idosos morreram em casas de repouso, em uma contagem parcial. AFP - LOIC VENANCE

"Não é porque estamos em um período centrado em emergências que devemos esquecer a humanidade", dizem os profissionais especializados em “cuidados paliativos” no fim da vida, uma categoria importante da medicina francesa. Os especialistas neste tipo de cuidado também estão na linha de frente da pandemia galopante de coronavírus para tentar evitar qualquer "submersão" ao desespero, sobretudo para os pacientes em estado grave da Covid-19.

Publicidade

Para os agentes de saúde responsáveis ​​pelo alívio de pessoas com formas graves de Covid-19, que enfrentam ansiedade, dor e asfixia, e que não serão capazes de se beneficiar da reanimação artificial, o desafio é aprender com o que aconteceu na Alsácia, uma região muito afetada pela doença na França.

Em Mulhouse, em particular, as equipes não estavam preparadas para a chegada maciça de pacientes, disse o professor Régis Aubry, ex-presidente da Sociedade Francesa de Cuidados Paliativos (SFAP), que trabalha em uma unidade de um hospital universitário na região de Bourgogne Franche Comté (centro).

De repente, o SFAP, em consulta com outros especialistas (geriatras, ressuscitadores, pneumologistas) foi mobilizado para ajudar e treinar colegas de saúde. Para alguns pacientes, a reanimação pode ser inalcançável: "Fazer uma triagem? É isso que os médicos da reanimação fazem o tempo todo", lembra o professor Olivier Guerin, presidente da sociedade francesa de gerontologia e geriatria (SFGG )

Garantir "apaziguamento"

Assim, mesmo antes da era do Covid-19, para certas doenças crônicas, como "insuficiência respiratória grave, sabe-se que a ressuscitação ou reanimação não é benéfica a longo prazo, não faremos com que sofram por nada", diz o Dr. Thibaud Soumagne, ressuscitador do Hospital Universitário de Besançon, que também é pneumologista. Neste hospital, como em outros lugares, foi criada uma unidade de cuidados paliativos para a Covid-19.

Mas se as necessidades de ressuscitação excederem em muito a oferta disponível no país, as pessoas que poderiam se beneficiar delas correm o risco de serem privadas.

Aconteça o que acontecer, as abordagens terapêuticas oferecidas a todos os estabelecimentos de saúde e médico-sociais, mas também em casa, no contexto da epidemia na França, não visam a eutanásia, lembra o SFAP, que publicou propostas emitidas e folhas de conselhos terapêuticos de emergência para locais afetados pela saturação hospitalar ou que provavelmente serão saturados em breve.

O objetivo é "proporcionar alívio aos pacientes mais afetados" em caso de dificuldades respiratórias ou angústia.

No entanto, com "a escassez de midazolam (Hypnovel) para adormecer, a falta de morfina assim como de seringas elétricas", o Dr. Bernard Devalois, médico em cuidados paliativos em Bordeaux alerta contra "a tentação da eutanásia" que os cuidadores de lares de idosos podem sentir quando confrontados com os mesmos mergulhados em sofrimentos horríveis, como a asfixia.

Bernard Devalois lamenta, a esse respeito, "a ausência de um estoque estratégico de midazolam", que ele afirma ter "proposto constituir, quinze anos atrás, no caso de uma pandemia".

"Cuidado digno"

Morfina para aliviar dores e dificuldades respiratórias (dispnéia), midazolam (Hypnovel) para sedação (adormecer) e um medicamento para congestão brônquica, combinados, servem para amenizar o fim da vida, de acordo com o SFAP. Na ausência do Hypnovel, outros produtos injetáveis, como Valium ou Rivotril, são possíveis, mas "é um procedimento degradado", julga o Dr. Devalois.

“Os sintomas respiratórios são muito provocadores de ansiedade. Os ansiolíticos melhoram o conforto do paciente. Alguns por via oral são úteis, mas não podem mais ser usados ​​nos estágios finais do desconforto respiratório. Na fase de asfixia, a urgência é implementar sedação profunda muito rapidamente”, recomenda o Dr. Devalois.

As agências regionais de saúde (ARS) devem pedir às farmácias dos hospitais que forneçam estoques suficientes dos medicamentos necessários para asilos e pequenos hospitais, sugere ele.

O professor Claude Jeandel, presidente do Conselho Nacional de Geriatria Profissional, solicitou ao Ministro da Saúde o acesso aos medicamentos recomendados pelo SFAP "para tratamento digno da angústia respiratória asfixia do grande número de residentes que não têm hospitalização e que morrerão em asilos ".

 O modelo atual não está adaptado ao atendimento estruturado de idosos e pessoas com doenças crônicas na cidade, observa o professor Guérin, culpa segundo ele, da ausência de médicos coordenadores nos asilos, com poderes para prescrever em situações de emergência e de enfermeiros noturnos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.