Acessar o conteúdo principal
Salão do Bourget

Avião a energia solar aterrisa na França

Solar Impulse tem a envergadura de um Airbus, mas o peso de um carro.
Solar Impulse tem a envergadura de um Airbus, mas o peso de um carro. REUTERS/Francois Lenoir

O convidado de honra do 46º Salão Internacional de Aeronáutica do Bourget, nos arredores da capital francesa, desembarcou ontem em Paris: um avião experimental com propulsão a energia solar. Apesar de ter tido problemas em um teste realizado no final de semana, ontem o Solar Impulse chegou sem percalço no destino. O protótipo levou 16h05min para realizar o trajeto entre Bruxelas e Bourget.

Publicidade

O avião havia decolado às 5h10 na Bélgica e aterrissou às 21h15 na França. Entretanto, a demora se deve, em parte, a uma medida de precaução: como o solo esquenta demais durante o dia e provoca a desestabilização da aeronave, era preciso aguardar o por-do-sol antes de aterrissar. Além disso, apesar de o Solar Impulse ter se aproximado de Paris às 15h, o tráfego aéreo comercial permaneceu intenso até às 21h, impossibilitando que o protótipo se aproximasse com segurança. O avião tem envergadura de um Airbus, mas o peso de um carro, o que o faz sentir com muito mais força as turbulências do tráfego.

Esta foi a segunda viagem internacional do modelo, que apesar de ser construído para funcionar unicamente com energia solar, foi obrigado a carregar 40% das baterias com energia elétrica convencional para garantir a viagem. No sábado, durante a primeira tentativa de chegar à França, o protótipo teve de retornar a Bruxelas pouco após atravessar a fronteira por causa do mau tempo e de dificuldades técnicas.

O piloto que comandou a aeronave nos dois vôos, André Borschberg, estava entusiasmado ao desembarcar no Bourget. “É tão bonito, tão emocionante”, disse, relatando que a segunda viagem foi “mais serena” do que a de sábado. ”Não é um avião que voa como qualquer outro, ele não é muito fácil de manejar”, afirmou o piloto.

O Solar Impulse entrou na história da aviação em julho de 2010, ao conseguir voar 24 horas sem interrupção alimentando-se apenas por paineis solares, instalados nas suas asas, e baterias. As 12 mil células fotovoltaicas carregam quatro motores elétricos, de uma potência de 10 cavalos cada.

“Este voo foi uma preparação para uma volta ao mundo”, disse um dos inventores da aeronave, o suíço Bertrand Piccard, que também foi o autor da primeira volta ao mundo de balão sem escalas. A volta ao mundo do Solar Impulse é esperada para 2013 ou 2014. “O objetivo dele é mostrar ao público o que nós podemos fazer com as novas tecnologias, para que o público incentive os políticos.”
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.