Acessar o conteúdo principal
França/economia

Premiê francês defende coesão europeia contra perda do triplo A

O primeiro-ministro François Fillon defende um novo tratado europeu.
O primeiro-ministro François Fillon defende um novo tratado europeu. Foto: Reuters

O primeiro-ministro francês François Fillon disse nesta terça-feira que a melhor resposta para a crise e o risco de degradação da nota da dívida soberana de 15 países europeus é a redação de um novo tratado europeu. O premiê também disse que o país não terá um terceiro plano de austeridade, mas não excluiu que novas medidas de ajuste econômico sejam impostas aos franceses se necessário. 

Publicidade

Durante um pronunciamento na Assembleia Nacional, François Fillon disse que a França fará tudo para respeitar seus compromissos orçamentários. Ele também estimou que a ameaça de rebaixamento era um ‘aviso coletivo’, que atinge todos os países da zona do euro. ‘’A Europa deve se organizar para diminuir sua dívida, isso é um fato’’, declarou. ‘Precisamos de uma coordenação política rigorosa, estruturada, eficaz, capaz a médio e longo prazo de honrar seus compromissos.’’

A França está na mira da agência Standard’s and Poor’s, que chama a atenção para dois problemas. O primeiro é que a agência americana avalia a previsão de crescimento do país em 0,5% em 2012, metade da previsão oficial divulgada pelo governo francês. Além disso, a agência aponta a dificuldade dos bancos franceses na obtenção de financiamentos externos. O primeiro-ministro francês lembra que o país tem uma reserva de 6 bilhões de euros para absorver uma desaceleração do crescimento no próximo ano. “Nosso governo demonstrou sua reatividade e capacidade a se adaptar a todas as circunstâncias”, ressaltou.

O novo tratado, proposto por França e Inglaterra, deverá ser discutido durante a reunião de Cúpula dos países da zona do euro nesta quinta-feira. O presidente francês Nicolas Sarkozy e a chanceler Angela Merkel acreditam que o acordo deve ser concluído entre os 27 membros da União Europeia, ou entre os 17 países da zona do euro. A ideia é que os orçamentos dos estados sejam submetidos à análise em nível europeu, que poderão ser sancionados se não limitarem o déficit público a 3% do PIB.

Paralelamente, nesta terça-feira, o secretário do Tesouro Americano, Timothy Geithner, reúbe-se com o presidente da BCE, o Banco Central Europeu, Mario Draghi, em Frankfurt. Geithner deverá acompanhar a Cúpula dos chefes de estado da União Europeia, prevista para quinta e sexta-feira, e também se encontrar com o ministro alemã das Finanças, Wolfgang Schäuble. O secretário do Tesouro Americano diz estar otimista com a coordenação política na Europa.

Standard & Poor’s coloca Fundo Europeu sob vigilância

Depois de ameaçar rebaixar a nota da dívida soberana dos 15 países da zona do euro, a agência de notação Standard & Poor’s também colocou sob vigilância o Fundo Europeu de Estabilização Financeira, que corre o risco de perder seu triplo A de um ou dois graus. O Fundo foi criado em 2010 para ajudar países em dificuldade. Graças a essa classificação, o dispositivo obtém empréstimos a taxas interessantes no mercado. A decisão da agência deve ser anunciada nos próximos três meses, segundo um comunicado.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.