Acessar o conteúdo principal
BEA/AF447

Erro humano teria contribuído para queda do voo AF447, diz relatório

Parte do avião da Air France sendo pescada após o acidente em 2009.
Parte do avião da Air France sendo pescada após o acidente em 2009. © REUTERS

A queda do avião da Air France, que fazia a rota Rio-Paris em 2009, teria sido o fruto de uma combinação de falhas técnicas e erros humanos. A informação foi divulgada pela agência AFP, que teve acesso ao relatório judicial sobre o caso. A revelação é feita poucas horas antes da divulgação, nessa quinta-feira, de um outro relatório sobre as causas do acidente, apresentado pela BEA, a agência civil que investiga a catástrofe que matou 228 pessoas.

Publicidade

As afirmações da AFP seriam fruto do relatório judiciário de 356 páginas encomendado pela juíza Sylvia Zimmermann. A agência teve acesso às conclusões do documento, que só deveria ser revelado para as famílias das vítimas no dia 10 de julho.

De acordo com os peritos citados no texto, a queda do voo AF447 em 2009 teria sido causada por uma série de fatores. Além de apontar os problemas técnicos já levantados anteriormente, como o congelamento dos sensores de velocidade, o documento também ressalta a falta de reação das equipes à bordo diante das indicações dos equipamentos. Segundo o texto, “ o déficit de informação da tripulação sobre o congelamento dos sensores ou da altitude contribuiu para o efeito de surpresa”. Os peritos também citam o comandante que “não teria assumido suas responsabilidades de gestão”.

O vazamento das informações do relatório judicial acontece a poucas horas da divulgação das conclusões de um outro relatório, realizado pelo BEA, o orgão francês que investiga as causas do acidente que matou 228 pessoas. O documento, apresentado como definitivo, deverá revelar nessa quinta-feira como os problemas técnicos afetaram a atitude dos pilotos, levando a aeronave à queda. Segundo a BEA antecipou à RFI em 30 de maio, o relatório trará uma recomendação sobre o alarme de perda de sustentação, que será feita à AESA (Agência Europeia de Segurança Aérea).
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.