Acessar o conteúdo principal
Roubo/Cannes

Seguradora oferece €1 milhão de recompensa por joias roubadas em Cannes

Oficial de polícia investiga roubo de jóias no Hotel Carlton, em Cannes, sul da França, em foto do dia 28 de julho de 2013.
Oficial de polícia investiga roubo de jóias no Hotel Carlton, em Cannes, sul da França, em foto do dia 28 de julho de 2013. REUTERS/Eric Gaillard

A seguradora britânica Lloyd's está oferecendo uma recompensa de 1 milhão de euros - mais de 3 milhões de reais - para a primeira pessoa que fornecer informações que permitam recuperar as pedras preciosas e diamantes roubados do hotel Carlton de Cannes no final de julho. O valor estimado do butim é de 104 milhões de euros, ou 317 milhões de reais.

Publicidade

As pedras preciosas e diamantes roubados no dia 28 de julho do hotel de luxo situado na célebre Croisette, por onde circulam as estrelas de cinema durante o festival de Cannes, pertencem à joalheria russo-israelense Leviev.

O anúncio da recompensa, oferecida por intermédio do escritório de experts SW Associates, vai especificar certas condições que ainda não foram divulgadas. Ele será publicado amanhã nos jornais Le Parisien, Nice Matin e The International Herald Tribune e terá um número de telefone e um email à disposição dos informantes, além de fotos de quatro das joias roubadas.

John Shaw, do escritório SW Associates, disse esperar que a recompensa seja suficientemente alta para estimular uma testemunha, uma pessoa próxima do ladrão ou um possível receptor a se manifestar.

A seguradora pode ter que reembolsar a joalheria Leviev após esse espetacular roubo à mão armada, por isso tem interesse em obter informações que permitam recuperar as joias.

O ministro do Interior da França, Manuel Valls, avaliou que essa iniciativa "vai na boa direção". "Mas por princípio, eu depositaria minha confiança em primeiro lugar na polícia e na justiça, e no trabalho de investigação", disse ele.

Em Cannes, o criminoso armado com uma pistola conseguiu entrar no salon do hotel Carlton onde um expositor de Dubai apresentava os "Diamantes Extraordinários" da joalheria Leviev. O homem entrou por uma porta-janela que não deveria estar aberta, segundo os sindicalistas do Carlton.

De acordo com o Journal du Dimanche do último domingo, os investigadores se perguntam se a façanha desse ladrão rápido e eficaz poderia ser imputada a um grupo conhecido como os Pink Panthers, bandidos audaciosos originários da ex-Iugoslávia e já conhecidos da Scotland Yard. De Mônaco a Dubai, passando por Genebra e Tóquio, eles teriam operado em cerca de trinta países.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.