Acessar o conteúdo principal
França/Brasil

Em visita ao Brasil, Hollande tenta relançar venda do Rafale

Imagem do Rafale em uma exibição no dia 14 de julho.
Imagem do Rafale em uma exibição no dia 14 de julho. REUTERS/Charles Platiau

O presidente francês François Hollande, que chega ao Brasil nesta quinta-feira, aproveitará de sua visita ao Brasil para tentar retomar as negociações da venda do Rafale. O avião da Dassault disputa a licitação para renovar a frota da FAB (Força Aérea Brasileira) ao lado dos caças da Boeing e da Saab.

Publicidade

Segundo a agência francesa AFP, Hollande não pretende pressionar a presidente Dilma Rousseff, que desde o início do seu mandato, em 2010, tem lidado com os sobressaltos da economia brasileira, que depois de anos de euforia, dá sinais de desaceleração. Além é claro, na tensão social existente no país, e das críticas aos gastos do governo para a organização da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos.

Na licitação, a Dassault e os fabricantes americano e sueco disputam a venda de 36 aviões – um contrato lançado ainda no governo Lula. O presidente da Dassault, Eric Trappier, integra a comitiva do governo francês.Depois de liderar as preferências, o avião francês acabou perdendo terreno para o F-18 Super Hornet, da Boeing, considerado tecnicamente superior.

Denúncias de espionagem da NSA aumentariam as chances do Rafale

Até as denúncias de espionagem da NSA, a agência de segurança americana, virem à tona, resultando no cancelamento da visita oficial de Dilma aos Estados Unidos em outubro. A própria presidente foi alvo do monitoramento da agência.

Esta situação poderia ajudar o governo francês na venda do Rafale. Outra vantagem da oferta dos franceses seria a possibilidade de transferência de tecnologia, um fator considerado fundamental para a conclusão do negócio – e que teria até então emperrado ao contrato com a Boeing, segundo fontes do Ministério da Defesa.

“O contexto político brasileiro mudou e as autoridades brasileiras estão analisando quem são os parceiros estratégicos mais interessantes para trabalhar’’, disse um conselheiro de Hollande.

Até hoje, o Rafale nunca foi exportado, mas desde 2012 a França negocia com a Índia um contrato de venda de 126 aviões que poderá ser concluído em 2014.

A França e o Brasil também possuem um acordo de cooperação na defesa, prevendo a construção de submarinos e helicópteros.

No Brasil, o presidente francês também deverá abordar com Dilma a cooperação científica, e o programa “Ciências Sem Fronteiras”, para favorecer a aprendizagem do francês. A França deverá receber cerca de 10 mil bolsistas até 2015. Depois de passar por Brasília e São Paulo, Hollande visitará a Guaiana e o centro espacial de Kourou.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.