Acessar o conteúdo principal
França/Nuclear

Greenpeace invade central para denunciar riscos do nuclear na França

Militantes do Greenpeace instalaram uma bandeira antinuclear na central de Fessenheim, no leste da França, nesta terça-feira 18 de março.
Militantes do Greenpeace instalaram uma bandeira antinuclear na central de Fessenheim, no leste da França, nesta terça-feira 18 de março. REUTERS/Daniel Mueller

Para denunciar a falta de segurança no parque nuclear francês, 56 militantes do Greenpeace invadiram na manhã desta terça-feira (18) a usina nuclear de Fessenheim, na fronteira com a Alemanha. Alguns militantes conseguiram chegar à cúpula de um dos reatores e estender uma bandeira da ONG escrita em inglês Stop Risking Europe (Parem de colocar a Europa em risco, em tradução livre).

Publicidade

O ministério do Interior confirmou que os ambientalistas penetraram áreas da usina consideradas protegidas. A polícia mobilizou 200 homens e um helicóptero para controlar a invasão. Segundo o Greenpeace, a operação começou bem cedo, às 5h30. 

Até o final da manhã, 34 militantes haviam sido presos, o restante continuava no interior da central. Em nota, a EDF, empresa operadora da usina, declarou que em nenhum momento as instalações nucleares estiveram ameaçadas. O porta-voz do ministério francês afirmou que a ação policial foi adequada e adaptada à situação, sem oferecer riscos aos militantes nem à estrutura da usina. 

Centrais antigas e em risco

O Greenpeace milita há vários anos pelo fechamento da usina de Fessenheim, que é a mais antiga da França, com 37 anos de atividade. A central é considerada de risco por ter sido construída em uma região sujeita a tremores de terra.

Durante sua campanha presidencial, o líder socialista François Hollande prometeu fechar a usina até 2016. Atualmente a França tem 19 usinas em funcionamento e a de Fessenheim é a única que teve seu fechamento anunciado.

O partido Europa, Ecologia e Verdes, que integra a coalizão de governo liderada pelos socialistas, felicitou o Greenpeace por esta ação espetacular, destacando que a invasão revela a fragilidade das instalações nucleares francesas.
 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.