Acessar o conteúdo principal
EUA/Rússia

Obama e Putin conversam durante 15 minutos na Normandia

Um telão instalado na praia de Sword Beach mostrava os líderes chegando para as comemorações do Dia D na Normandia; na imagem, Obama e Putin.
Um telão instalado na praia de Sword Beach mostrava os líderes chegando para as comemorações do Dia D na Normandia; na imagem, Obama e Putin. REUTERS/Kevin Lamarque

O clima glacial entre os presidentes dos Estados Unidos e da Rússia foi quebrado por alguns instantes nesta sexta-feira (6), durante as comemorações dos 70 anos do desembarque das tropas aliadas na Normandia, no norte da França. Barack Obama e Vladimir Putin tiveram uma conversa informal de 15 minutos no Castelo de Bénouville, onde o governo francês organizou um almoço para os 19 chefes de Estado e de Governo convidados para o Dia D.

Publicidade

Obama pediu a Putin para acalmar a tensão na Ucrânia, sob pena de aumentar o isolamento da Rússia no cenário internacional. Há dois meses, a Rússia e as potências ocidentais estão envolvidas numa dura queda-de-braço provocada pela anexação da Crimeia e os movimentos separatistas pró-russos no leste da Ucrânia.

A conversa entre os dois foi confirmada por Ben Rhodes, vice-conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca. "O presidente Obama e o presidente Putin se falaram nos bastidores do almoço", explicou Rhodes, esclarecendo que "a conversa foi informal, e não uma reunião oficial bilateral ".

Este foi o primeiro encontro cara a cara entre os dois desde a intervenção russa na Crimeia. Mais cedo, Putin também conversou com o presidente eleito da Ucrânia, Petro Poroshenko, mas as diplomacias ocidentais consideram que ainda é cedo para falar em avanços na resolução do conflito ucraniano.

Segundo informações divulgadas pelas agências de notícias russas, o embaixador russo na Ucrânia, Mikhail Zurabov, deve participar da cerimônia de posse de Poroshenko neste sábado em Kiev.

Pequena vitória diplomática para Hollande

Ao convidar Putin e Porochenko para o Dia D, o presidente francês, François Hollande, tinha imaginado promover essa aproximação. No caso de Obama e Putin, o governo francês teve de se desdobrar para evitar um encontro entre os dois, quinta-feira, em Paris. O risco de um incidente diplomático era grande e Hollande apostou as fichas no almoço de hoje na Normandia. Deu certo. 

A insurgência armada pró-russa no leste da Ucrânia ganha terreno diariamente, aumentando os temores de uma partição do país.

Um comunicado divulgado pelo Kremlin informou que Putin e Porochenko concordaram com a necessidade de pôr fim ao banho de sangue na Ucrânia. Eles devem discutir nos próximos dias as modalidades de um cessar-fogo tanto do Exército ucraniano quanto dos separatistas.

O G7, reunido esta semana em Bruxelas sem o presidente russo, excluído do grupo após 16 anos de relações normalizadas, recomendou a Putin que ele utilize toda a sua influência para baixar a tensão na Ucrânia. Caso contrário, avisaram americanos e europeus, novas sanções serão adotadas contra a Rússia.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.