Acessar o conteúdo principal
França/ violência

Em Paris, assalto a joalheria Cartier tem tiros, perseguição e refém

Roubo a joalheria da Cartier, situada na rua François I, mobilizou cerca de 100 policiais..
Roubo a joalheria da Cartier, situada na rua François I, mobilizou cerca de 100 policiais.. Reprodução Vídeo

Um assalto a uma famosa joalheria perto da avenida Champs Elysées, na capital francesa, assustou os parisienses na noite desta terça-feira (25). A polícia perseguiu os dois assaltantes pelas ruas da cidade até que eles entraram em um salão de beleza e fizeram um cabeleireiro refém, antes de se entregarem. Os homens permanecem presos nesta quarta-feira (26).

Publicidade

A polícia indicou que os dois homens, de 23 e 30 anos, já tinham passagem policial por assalto. Armados com uma kalachnikov e uma pistola, eles entraram na loja Cartier instalada em um dos bairros mais chiques de Paris, por volta das 18h (15h em Brasília). Os homens obrigaram os três clientes e 10 funcionários a se deitarem no chão, enquanto eles pegavam dinheiro e dezenas de anéis e relógios de diamantes.

Com a chegada da polícia ao local, os ladrões fugiram em uma moto, atirando para o alto. Ao perceberem que não conseguiriam escapar, saltaram da scooter e entraram no cabeleireiro, no 15º distrito da capital, perto do bairro turístico de Montparnasse. 

Refém de 64 anos

Imediatamente, os assaltantes fizeram o dono do estabelecimento refém. O homem, de 64 anos, relatou à emissora de televisão francesa BFM ter conseguido acalmar os ladrões, que chegaram nervosos e agressivos ao local. Um deles estava ferido e chegou a receber cuidados do refém. “Foi uma maneira que encontrei de distraí-los, porque eles ficaram bravos com a chegada da polícia”, relatou.

A partir deste momento, os policiais isolaram o local e, apoiados por um helicóptero, negociaram a rendição dos suspeitos. Cerca de 100 agentes foram mobilizados, um dispositivo policial raramente visto na cidade.

“Um negociador conseguiu rapidamente estabelecer o contato e eles aceitaram deixar o refém sair, são e salvo, e se renderam”, explicou o procurador de Paris, François Molins.

As joias roubadas foram recuperadas pela polícia após a prisão dos suspeitos. Eles permanecem detidos e, nesta quarta-feira, foram interrogados na Brigada de Repressão da Criminalidade. Os dois moram no departamento de Seine-Saint-Denis, na periferia da capital.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.