Acessar o conteúdo principal
França/Terrorismo

Presidente francês decreta dia de luto nacional após atentado contra Charlie Hebdo

François Hollande decretou luto nacional durante pronunciamento.
François Hollande decretou luto nacional durante pronunciamento. REUTERS/Philippe Wojazer

O presidente francês, François Hollande, decretou luto nacional nesta quinta-feira (8), um dia após o atentado que matou 12 pessoas e deixou outras 11 feridas na sede do jornal satírico Charlie Hebdo. Em pronunciamento à nação, o chefe de Estado disse que com o ataque todo o país foi agredido e que a melhor arma contra o episódio é a união.

Publicidade

“Hoje a República inteira foi agredida”, disse Hollande durante seu pronunciamento à nação. “A República é a liberdade de expressão, a cultura, a criação, o pluralismo e a democracia. E isso foi visado”, declarou o chefe de Estado, que chamou as vítimas do atentado de heróis.

Além do luto nacional, um minuto de silêncio também será respeitado nesta quinta-feira ao meio-dia no horário local (9h em Brasília) em todas as repartições públicas francesas. Já as bandeiras do país ficarão hasteadas a meio mastro durante três dias.

Um pouco mais cedo o procurador de justiça François Molins confirmou que o ataque terrorista fez 12 vítimas fatais, entre eles uma mulher e vários dos principais cartunistas do jornal semanal. Hollande lembrou que entre os mortos também estavam dois policiais, “encarregados de proteger Charlie Hebdo e a redação, que era ameaça há anos pelo obscurantismo e que defendia a liberdade de expressão”, disse o presidente. “Esse homens e essa mulher morreram pela ideia que tinham da França, ou seja, a liberdade”.

Hollande avisou que vai se reunir com os presidentes da Câmara dos deputados e dos senadores na quinta-feira para mostrar a “determinação” do país na luta contra o terrorismo. O chefe de Estado também deve receber o ex-presidente Nicolas Sarkozy, além dos ex-candidatos nas presidenciais Marine Le Pen, do partido de extrema-direita Frente Nacional, François Bayrou, do centro, e Jean-Luc Mélenchon, da Frente de Esquerda.

Dois irmãos teriam cometido o atentado

A polícia francesa continua procurando os responsáveis pelo ataque contra o jornal satírico. Segundo informações divulgadas na noite desta quarta-feira, as autoridades estariam em busca de dois irmãos, de cerca de 30 anos, e um terceiro comparsa, mais jovem. Fontes policiais afirmam que os atiradores seriam moradores de Paris e um deles já havia sido condenado por um caso de terrorismo. Já o terceiro suspeito de participação no ataque viria de Reims, na região da Champagne.

Várias buscas foram realizadas no leste de Paris, onde os atiradores deixaram o carro após o ataque, mas nenhuma pista foi encontrada. 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.